app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5754
Política

Caldas diz que houve fraude no afastamento de prefeito

FERNANDA MEDEIROS O deputado federal João Caldas (PL) voltou a afirmar que o juiz titular da comarca de São José da Laje, José Braga Neto, “armou uma conspiração” para tirar do cargo o prefeito de União dos Palmares, Afrânio Vergetti, em março deste ano

Por | Edição do dia 21/11/2002 - Matéria atualizada em 21/11/2002 às 00h00

FERNANDA MEDEIROS O deputado federal João Caldas (PL) voltou a afirmar que o juiz titular da comarca de São José da Laje, José Braga Neto, “armou uma conspiração” para tirar do cargo o prefeito de União dos Palmares, Afrânio Vergetti, em março deste ano, e denunciou que há membros do Judiciário envolvidos no que ele chama de “fraude” que teria culminado com o afastamento do prefeito. O parlamentar, no entanto, não quis citar nomes e garantiu que a verdade será revelada no momento adequado. “Na hora certa, toda a história virá à tona. O que posso dizer, no momento, é que provas existem e alguns membros do Judiciário estão envolvidos. A Justiça precisa saber disso, pois eles têm culpa no cartório. Então, a Corregedoria Eleitoral, o Tribunal de Justiça e a Associação dos Magistrados de Alagoas (Almagis) devem procurar saber o que realmente aconteceu, para não contaminar o Poder Judiciário. A Justiça deve agir com prudência e não pode tomar decisões precipitadas com relação a fatos que não são verdadeiros”, declarou o parlamentar. João Caldas acusou o juiz Braga Neto de estar criando um “álibi” para tirar de foco o alvo da discussão, que é o processo de cassação do mandato do ex-prefeito Vergetti. “Ele (Braga Neto) tem de explicar o processo que elaborou para afastar o prefeito do cargo. Foi uma conspiração. Ele utilizou, inclusive, uma prática inaceitável para a democracia brasileira, atropelando os conceitos jurídicos. Essa história é escabrosa e pode até virar um escândalo nacional”, disparou. O juiz Braga Neto denunciou, no início desta semana, estar sendo ameaçado de morte,  juntamente com o juiz eleitoral  da 21a Zona, de União dos Palmares, Maurício César Breda,  por parte de membros da família Vergetti, e envolveu o nome  do deputado João Caldas, criticando-o por ter utilizado a tribuna da Câmara Federal para  denunciar que a cassação do  mandato de Vergetti teria sido  uma farsa e que o parlamentar  estaria querendo sensibilizar os  ministros do Tribunal Superior  Eleitoral (TSE), “tentando mostrar-lhes que a cassação do  prefeito foi uma decisão errada”. Sobre essa questão, Caldas afirmou que são acusações infundadas. “Já disse que ele está criando um álibi para fugir do assunto principal: a cassação de Afrânio Vergetti”, repetiu. “Além disso, interceder na Justiça é uma prática que ele (Braga Neto) está acostumado a adotar. Eu não adoto esse tipo de atitude”, reforçou. Sobre o juiz Maurício Breda, o deputado afirmou que não o conhece e prefere não emitir opinião. “Não conheço essa pessoa, por isso, só me refiro ao juiz Braga Neto e ao que ele fez”, ressaltou.

Mais matérias
desta edição