app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5752
Política

PSDB acena com proposta de parceria com governo petista

Araxá (MG) – Foi produtiva a primeira reunião de trabalho do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, com os novos governadores do PSDB, realizada ontem em Araxá, no Triângulo Mineiro. Os governadores de sete Estados (SP, MG, CE, PB, PA, GO e RO)

Por | Edição do dia 26/11/2002 - Matéria atualizada em 26/11/2002 às 00h00

Araxá (MG) – Foi produtiva a primeira reunião de trabalho do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, com os novos governadores do PSDB, realizada ontem em Araxá, no Triângulo Mineiro. Os governadores de sete Estados (SP, MG, CE, PB, PA, GO e RO) acenaram com a proposta de parceria e apoio de suas bancadas no Congresso para aprovar propostas de interesse administrativo e político do futuro governo, como a que mantém a arrecadação nos níveis atuais, sem reduzir de 27,5% para 25% a alíquota do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). O presidente eleito aceitou a principal reivindicação dos tucanos: manter o fundo de compensação para ressarcir os Estados das perdas causadas pela Lei Kandir, que desonerou do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) as exportações de produtos primários e semi-elaborados. “Encontrei em Araxá governadores não com a disposição de marcar posição em relação ao governo federal, mas de marchar junto conosco, tentando encontrar soluções para os problemas do povo brasileiro”, elogiou Lula. E diante da disposição pública dos tucanos de ajudar o governo petista a realizar as reformas previdenciária, trabalhista, política e tributária, Lula antecipou sua agenda: anunciou que pretende concluir a votação da reforma tributária até o final do primeiro semestre de 2003. “Houve um entendimento, mas não foi na base do toma-lá, dá-cá”, destaca o governador eleito da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PSDB), à vontade na condição de quem vai comandar um Estado que não tem perfil exportador e, portanto, não é afetado pela Lei Kandir. “Não fechamos acertos na base da troca. Mencionamos nosso apoio à medida provisória que trata do IR, mas nem sequer mencionamos o valor da alíquota. O presidente eleito vai ajudar os Estados, porque entendeu que a lei Kandir é prejudicial”, completa. Lula garantiu aos tucanos que nenhuma reforma será feita apenas pelo Governo Federal, mas “só se houver a construção de uma proposta consensual” entre o presidente da República e os governadores. Os sete governadores não apenas se comprometeram a fazer “oposição responsável, sempre atentos aos interesses maiores do País e do seu povo”, como registraram em um documento informalmente batizado de Carta de Araxá, o compromisso de “colaborar com o presidente eleito” para a aprovação das reformas tributária, previdenciária, trabalhista e política.

Mais matérias
desta edição