app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5756
Política

Lula re�ne-se com futuros ministros para acertos finais

São Paulo – O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, reuniu ontem os dois principais nomes de seu futuro governo, o coordenador da transição petista, Antônio Palocci Filho, e o presidente do PT, deputado José Dirceu, para fazer os últimos acertos d

Por | Edição do dia 05/12/2002 - Matéria atualizada em 05/12/2002 às 00h00

São Paulo – O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, reuniu ontem os dois principais nomes de seu futuro governo, o coordenador da transição petista, Antônio Palocci Filho, e o presidente do PT, deputado José Dirceu, para fazer os últimos acertos da formação de seu primeiro escalão. Além de realizar as consultas finais, entre elas o nome do futuro presidente do Banco Central, aos ministeriáveis do novo governo, Lula tentou também aparar as arestas existentes no próprio partido. O encontro ocorreu na sede da transição em São Paulo, na Vila Clementino, zona sul da capital, e durou mais de duas horas. O embaixador do Brasil em Londres, Celso Amorim, esteve no comitê e reuniu-se com o presidente eleito. Em bloco Ao desembarcar logo cedo no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, de volta de sua viagem à Argentina e ao Chile, o presidente eleito pediu paciência para os que aguardam o anúncio de seus ministros e reafirmou que anunciará todo o primeiro escalão de uma vez. “Não estou com dificuldade nenhuma, até porque todas as pessoas que procurei até agora encontrei”, disse ele, negando que enfrentasse problemas para formar seu governo. Segundo o assessor pessoal de Lula, Gilberto Carvalho, Lula só vai divulgar o Ministério após “comunicar” a executiva nacional do PT, em reunião extraordinária, amanhã. Antes de embarcar para a Argentina, no domingo, Lula havia dito que começaria a anunciar a equipe na quarta-feira. Ontem, Lula voltou a descartar a possibilidade de manter o presidente do Banco Central, Armínio Fraga, no período inicial da administração. “Não existe essa possibilidade”, reforçou ele. “Já disse anteriormente que não tenho nada contra ninguém, acho Armínio uma figura competente tecnicamente, mas ganhamos prometendo mudanças na política econômica, um outro rumo para o Brasil”.

Mais matérias
desta edição