app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Política

Vereador � executado em emboscada em Jequi�

Arapiraca – A polícia não tem uma linha de investigação definida para o assassinato do advogado Antônio Cezar Carmo, 61, que foi morto no início da tarde de ontem. Além de advogado e pecuarista, ele também cumpria mandato como vereador no município de Pia

Por | Edição do dia 11/09/2014 - Matéria atualizada em 11/09/2014 às 00h00

Arapiraca – A polícia não tem uma linha de investigação definida para o assassinato do advogado Antônio Cezar Carmo, 61, que foi morto no início da tarde de ontem. Além de advogado e pecuarista, ele também cumpria mandato como vereador no município de Piaçabuçu pelo PSDB e era esposo da vice-prefeita da mesma cidade, Lúcia Marinho da Silva Carmo. De acordo com policiais, o homicídio tem características de crime de mando. Antônio Cezar, conhecido também pelo apelido de “Canvanvão”, estava viajando em direção à capital pela rodovia AL-101 Sul. Por volta das 13h, quando passava nas proximidades do povoado Lagoa Azeda, município de Jequiá da Praia, teve o carro alvejado por tiros. O vereador foi atingido e perdeu o controle do veículo, que caiu em uma ribanceira. As primeiras pessoas que chegaram ao local perceberam que o vereador já estava morto. Conforme informações do Pelotão de Operações Especiais (Pelopes), pertencente à Companhia da Polícia Militar de São Miguel dos Campos, a vítima viajava sozinha e não foram encontradas testemunhas do crime. A polícia foi avisada por populares que viram o carro tombado à margem da rodovia. O Instituto de Criminalística foi acionado para fazer perícia no local e o corpo seria removido para o Instituto Médico Legal de Maceió. As investigações do caso serão conduzidas pela equipe do delegado de Jequiá da Praia, Abelardo Leopoldino. Ele esteve no local do crime e afirmou que qualquer declaração sobre o caso, até o momento, seria precipitada. Agentes, no entanto, disseram que não havia sinais de que a vítima foi roubada, o que descartaria a hipótese de latrocínio. Além disso, as marcas de tiros no para-brisa e na lateral do carro, do lado do motorista, levantam a suspeita que a intenção dos bandidos era mesmo a de matar o vereador.

Mais matérias
desta edição