app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Política

Conseg tem mais de 20 pessoas sob seguran�a pessoal

Com cerca de 20 pessoas ameaçadas que contam, hoje, com segurança individualizada em Alagoas, o Conselho Estadual de Segurança Pública (Conseg) criou, na última semana, uma comissão técnica para acompanhar os casos e avaliar a necessidade de renovação das

Por | Edição do dia 17/05/2015 - Matéria atualizada em 17/05/2015 às 00h00

Com cerca de 20 pessoas ameaçadas que contam, hoje, com segurança individualizada em Alagoas, o Conselho Estadual de Segurança Pública (Conseg) criou, na última semana, uma comissão técnica para acompanhar os casos e avaliar a necessidade de renovação das concessões de proteção pessoal, que mobilizam o trabalho exclusivo de policiais militares e civis 24 horas por dia. Segundo o presidente do conselho, o juiz Maurício Brêda, não se trata de um “pente-fino” nas concessões, e sim de um auxílio técnico para facilitar a hora da decisão dos conselheiros pela prorrogação ou não da segurança individualizada. “O que a gente quer é um norte maior. É muito difícil decidir segurança. Nós sentimos um pouco de dificuldade, às vezes, porque precisamos de uma espécie de laudo técnico. Eles são profissionais rígidos de três instituições policiais, que têm prestado serviços valorosos às corporações, e vão reavaliar friamente e tecnicamente os casos”, explicou o presidente do Conseg. Os profissionais nomeados para a comissão técnica são um coronel da Polícia Militar, um coronel do Corpo de Bombeiros e um delegado da Polícia Civil, que foram indicados pelas respectivas corporações. Os processos foram distribuídos entre os três membros, que já começaram a trabalhar. A comissão atuará de forma independente, de acordo com Brêda, e ditará a própria forma de trabalho. “Eles que vão dizer o modus operandi. Terão direito a ouvir as pessoas que estão com segurança pessoal e estão com carta branca para fazer todo o levantamento. Já tivemos uma primeira reunião e eu disse que não me perguntem o que eu acho de cada caso, queremos saber a avaliação deles”, afirmou o juiz.

Mais matérias
desta edição