app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Política

PMDB quer eleger 80 prefeitos

O projeto político do PMDB para 2016 é eleger o maior número possível de prefeitos e vereadores na maioria dos 5,5 mil municípios brasileiros, para não perder espaço político no cenário nacional e ser protagonista nas eleições gerais de 2018. Em Alagoas,

Por | Edição do dia 13/09/2015 - Matéria atualizada em 13/09/2015 às 00h00

O projeto político do PMDB para 2016 é eleger o maior número possível de prefeitos e vereadores na maioria dos 5,5 mil municípios brasileiros, para não perder espaço político no cenário nacional e ser protagonista nas eleições gerais de 2018. Em Alagoas, o governador Renan Filho trabalha forte nos bastidores para eleger 80% dos 102 prefeitos. Ele tem dito para aliados próximos que pode apoiar outros candidatos de outros partidos desde que eles estejam na base de aliança da legenda presidida pelo pai dele, o presidente do Senado, Renan Calheiros. O projeto político faz parte de uma estratégia nacional do PMDB, que se sente desconfortável e quer se descolar do PT. No jantar da última terça-feira em Brasília (DF), com os seis governadores do partido, o senador Renan Calheiros, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, o vice-presidente da República, Michel Temer – articulador do encontro –, se mostraram contrário à ideia de aumentar impostos e defenderam a necessidade do partido se fortalecer politicamente nas eleições municipais de 2016, para chegar bem na disputa do 2018. Temer não escondeu a preocupação com os desgastes causados pela crise econômica e o desconforto político. Além disso, dos problemas nacionais do PMDB, Renan Filho prevê anos difíceis até 2018 e quer construir uma base forte para ele e o pai garantirem a reeleição. Por isso, não perdem de vista a eleição nos maiores colégios eleitores do Estado e as bases construídas em mais 80 municípios onde recebeu votos, inclusive de opositores. Vencer e manter alianças fortes em Maceió e Arapiraca é um dos pontos defendidos pelos caciques peemedebistas.

Mais matérias
desta edição