app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5730
Política

Rui Palmeira � contra retorno da CPMF

É muito ruim para os brasileiros, neste momento de dificuldades financeiras, ser obrigado a pagar mais impostos. A presidente Dilma Rousseff vai ter extrema dificuldade para aprovar medidas como a do retorno da CPMF até porque existe uma relação de desgas

Por | Edição do dia 18/09/2015 - Matéria atualizada em 18/09/2015 às 00h00

É muito ruim para os brasileiros, neste momento de dificuldades financeiras, ser obrigado a pagar mais impostos. A presidente Dilma Rousseff vai ter extrema dificuldade para aprovar medidas como a do retorno da CPMF até porque existe uma relação de desgaste entre o Executivo e o Congresso Nacional. A avaliação feita ontem pelo prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB) diverge da posição do governador Renan Filho (PMDB), que, em Brasília (DF), defendia a volta do imposto como forma de resolver as necessidades financeiras de estados e municípios. Rui Palmeira criticou a volta do imposto que revolta a classe média durante a entrega do Posto de Saúde Waldomiro Alencar, no bairro do Jacintinho. A unidade fica numa área populosa do bairro e passou seis meses fechada para reforma. A obra custou R$ 270 mil. Ao explicar de onde vinha o dinheiro empregado naquela reforma, o prefeito tucano aproveitou para novamente alfinetar a presidente da República. “O governo federal investiu R$ 100 mil e a nossa contrapartida foi maior, de R$ 170 mil. Nós estamos vendo uma inversão de valores hoje no Brasil: a União investe menos no crescimento e no desenvolvimento enquanto estados e municípios que fazem obras sociais importantes como esta aplicam mais recursos na contrapartida”. Sobre a volta da CPMF e agora com apoio de governadores, entre eles o de Alagoas, Renan Filho, o prefeito não fez nenhuma crítica ao governador do Estado. Mas avaliou que o governo federal não tem clareza do que quer com o ajuste fiscal. “A gente percebe várias tentativas frustradas. Uma semana lança determinado pacote, na outra desiste do pacote. Falta comando para fazer as coisas avançarem no ajuste fiscal”.

Mais matérias
desta edição