app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Política

Rede de ensino vai ser ampliada

Com base no Plano Nacional de Educação (PNE), até 2024, no mínimo 50% das escolas públicas de todo o país terão que oferecer o ensino em tempo integral. Alagoas começou a dar os primeiros passos nesse sentido. Em março, foi aberta a Escola Marcos Antônio

Por | Edição do dia 20/09/2015 - Matéria atualizada em 20/09/2015 às 00h00

Com base no Plano Nacional de Educação (PNE), até 2024, no mínimo 50% das escolas públicas de todo o país terão que oferecer o ensino em tempo integral. Alagoas começou a dar os primeiros passos nesse sentido. Em março, foi aberta a Escola Marcos Antônio Cavalcanti Silva, no bairro do Benedito Bentes, na capital. É a primeira unidade da rede estadual com ensino acadêmico e profissional. Os alunos têm atividades no horário das 7h às 17h50, de segunda a sexta. Atende a 280 estudantes do 1º, 2º e 3º ano do ensino médio. No final de agosto passado, o governo do Estado anunciou outras 13 escolas que serão incluídas no modelo. A proposta é que, no ano letivo de 2016, Alagoas tenha 14 unidades de ensino em tempo integral, espalhadas em 12 cidades. Para o governador Renan Filho (PMDB) esse é um caminho sem volta. “A escola de tempo integral é importante porque oferece uma educação com melhor qualidade enquanto prepara o jovem para o mercado de trabalho. Esse modelo já é o do Ceará, Pernambuco e São Paulo. Somente Alagoas tinha investido zero em ensino profissionalizante”, disse em entrevista no Palácio República dos Palmares. Na Marcos Antônio Silva, os alunos estão tendo acesso aos cursos de Turismo, Análises Químicas e Informática, parte do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), uma iniciativa do Ministério da Educação (MEC). Com 19 anos, Larissa Gabriella da Silva, estudante do 2º ano na escola, tem descoberto novos mundos nas aulas de Turismo. “Eu estou gostando. Até penso em seguir nessa profissão. Aumentou minha curiosidade sobre o Estado. Tenho pesquisado sobre a nossa cultura, os folguedos, o que Alagoas tem de melhor”, contou a jovem.

Mais matérias
desta edição