app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Política

Litoral Norte � regi�o mais preocupante

Outra questão de destaque no Plano Diretor está relacionada à ocupação do Litoral Norte, “uma das preocupações por se tratar de localidade que atrai investimentos e expansão imobiliária. A preocupação é com o que já existe – deficiência de infraestrutura

Por | Edição do dia 06/03/2016 - Matéria atualizada em 06/03/2016 às 00h00

Outra questão de destaque no Plano Diretor está relacionada à ocupação do Litoral Norte, “uma das preocupações por se tratar de localidade que atrai investimentos e expansão imobiliária. A preocupação é com o que já existe – deficiência de infraestrutura – e o que pode advir dessa expansão”, afirma o secretário. “A cidade ainda não resolveu seus problemas nas áreas urbanizadas e em contraponto vai se alongando para outras regiões, levada que é pelo mercado imobiliário, setor da construção civil, a tendência de as pessoas quererem morar em uma área como essa, mas elas não vão com todas as suas condições resolvidas e sobra para o poder público ter que dar essa condição”, ele diz, ao defender o ordenamento da cidade. Para administrar a situação, o secretário cita os princípios e valores que estão contidos no novo Plano Diretor. “Esses princípios e valores que são aderentes de uma cidade que quer preservar seus mananciais, que estão naquela região, as suas paisagens, os seus mirantes, a balneabilidade das suas praias, estão consignados fortemente dentro do plano. Por isso, todas as demais ações terão que primeiro estar vinculadas e respeitando tais princípios”, afirma. As medidas vão “desde a altura de prédio, ao uso do tamanho do lote, a preservação dentro do lote de uma área de drenagem para que possa recuperar os aquíferos”, diz o gestor, ao apontar para os riscos da impermeabilização total do solo ao se construir pavimentos de garagem ou subterrâneos a partir da expansão imobiliária na região, que deverá atrair os chamados espigões. “A cidade vai perdendo a capacidade de drenar suas águas pluviais e recompor esses aquíferos”, revela Manoel Messias, ao dizer que “cada área tem uma característica diferenciada, por isso que um dos pontos fundamentais da revisão do Plano é o novo zoneamento da cidade”.

Mais matérias
desta edição