Nº 4227
Política

SOLTURA DE LULA PODE PACIFICAR O PAÍS, DIZEM PETISTAS DE ALAGOAS

Ricardo Barbosa, presidente do PT local, e o deputado federal Paulão destacam a decisão da Justiça

Por Marcos Rodrigues | Edição do dia 09/11/2019 - Matéria atualizada em 08/11/2019 às 21h51

Ricardo Barbosa acha que o Supremo retomou a normalidade jurídica e “cumpriu sua obrigação”
Paulão lembra que Lula era um preso político e a soltura dele respeita a Constituição

O movimento em torno da soltura do ex-presidente Lula, um dia após o Supremo Tribunal Federal (STF) definir por 6 a 5 que não pode haver prisão após condenação em segunda instância, mobilizou os petistas alagoanos. De Brasília (DF), o deputado federal Paulo Fernando dos Santos, o Paulão (PT), chegou a dizer que sua soltura pode pacificar as relações políticas no país. Segundo Paulão, ele considera que o chamado “estado democrático de direito” se restabelece com a posição do Supremo Tribunal Federal e o efetivo cumprimento da soltura de Lula. O deputado lembrou que uma parte do STF estava “amedrontada”.

“É um respeito à Constituição e sua soltura representa isso. Lula era um preso político. Preso de forma injusta e por um algoz que hoje é ministro da Justiça. Inclusive o próprio Bolsonaro disse que se não fosse o Moro ele não seria presidente. A liberdade do Lula representa a esperança do povo brasileiro com um Brasil mais justo, com crescimento e com distribuição de renda, com um país governado para os mais pobres”, disse o deputado à Gazeta.

SEM MAIS ÓDIO

Para ele, esse processo de restabelecimento institucional pode criar um espaço, também, para a retomada da discussão política sem ódio, mas levando em conta a pauta nacional que impõe muitos desafios. Em Maceió, o presidente do diretório estadual do PT, o advogado Ricardo Barbosa, acha que o STF só retomou a normalidade jurídica e “cumpriu a sua obrigação”. Ele lembrou também o que estava na própria Constituição, que já era correto, mas que o Supremo precisou voltar a ter que discutir o que já estava no texto constitucional. “Vamos continuar seguindo nossa saga em nome da inocência do Lula, mas enquanto isso perdurar vamos comemorar esse momento. O Lula vai de encontro ao pessoal da vigília que ficou mais de 500 dias na porta da PF e voltando aos braços do povo”, destacou Barbosa.

RECEPÇÃO

O PT de Alagoas vai integrar a mobilização nacional em torno da soltura do Lula com sua recepção no Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo Campo. O local, símbolo da luta sindical no país foi o “berço” político e onde inciou sua carreira no movimento sindical e também onde nasceu o Partido dos Trabalhadores (PT). “É um ato político de onde ele foi preso e vamos recepcioná-lo, porque foi de lá que ele foi tirado dos braços do povo. Estaremos lá ao lado de Paulão. Vamos começar a reescrever a democracia no Brasil”, disse Barbosa. Para ele, o momento não é para “revanchismo”, mas sim de retomar a construção de alianças com as esquerdas, dentro da legalidade, sem apelar para força, mas com discussão política “porque o que sempre fizemos foi política”.

Mais matérias
desta edição