app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Política

Entidades protestam contra projeto

Entidades de portadores de deficiência estão protestando contra um projeto de lei da Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT), que prevê gratuidade nos ônibus coletivos somente para deficientes físicos, deixando de fora os deficientes mentais

Por | Edição do dia 17/03/2002 - Matéria atualizada em 17/03/2002 às 00h00

Entidades de portadores de deficiência estão protestando contra um projeto de lei da Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT), que prevê gratuidade nos ônibus coletivos somente para deficientes físicos, deixando de fora os deficientes mentais, visuais, auditivos, múltiplos e portadores de doenças crônicas. A proposta está para ser enviada para a Câmara Municipal de Maceió, onde será votada pelos vereadores. O assunto vai ser novamente debatido na próxima terça-feira, às 15 horas, na sede da SMTT, mas os dirigentes de entidades têm poucas esperanças de modificar o projeto. O Comitê Estadual de Apoio aos Deficientes (Cead) afirma que a empresa contratada pela SMTT para elaborar o projeto visitou as entidades para levantar suas demandas. “No entanto, desconhecendo a realidade do setor e discutindo apenas com os empresários, a empresa elaborou um projeto alienado da realidade e desconheceu uma pesquisa realizada no ano passado sobre o problema. As crianças deficientes começam as aulas na parte da manhã, às 7h30, mas está previsto que os carros só sairão da garagem às 8 horas, por exemplo”, ressaltou a direção do Cead. Um documento do Comitê, endereçado ao superintendente da SMTT, José Rubens, apresenta como anexos as opiniões de várias entidades sobre o projeto. Assim, a Sociedade Pestalozzi de Maceió, que cuida de portadores de deficiências mentais e múltiplas, diz que desconhecendo sua demanda de 278 usuários, o projeto destina apenas 32 vagas à entidade. Além disso, a adaptação dos veículos não levou em consideração a necessidade de acompanhante, fundamental no caso de deficientes mentais. O projeto não contempla, ainda, o atendimento a novos casos, que surgem freqüentemente, acentua sua presidenta, Tereza Nelma Porto.

Mais matérias
desta edição