app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Política

CPI da Ceal retoma trabalhos e volta a ouvir ex-presidente

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que apura o processo de federalização da Companhia Energética de Alagoas (Ceal), retoma os trabalhos na próxima quarta-feira, com mais um depoimento do ex-presidente da empresa, Neiwton Silva. A reunião está marc

Por | Edição do dia 19/03/2002 - Matéria atualizada em 19/03/2002 às 00h00

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que apura o processo de federalização da Companhia Energética de Alagoas (Ceal), retoma os trabalhos na próxima quarta-feira, com mais um depoimento do ex-presidente da empresa, Neiwton Silva. A reunião está marcada para as 9 horas, no plenário da Assembléia Legislativa. Os deputados querem detalhes sobre o caso das Letras do Tesouro Estadual, que foram recebidas pela Ceal em troca da quitação de dívidas. Outra questão que os deputados querem esclarecer mais uma vez é o empréstimo feito pela Ceal junto ao Delta Bank. Esta operação, segundo a CPI, resultou no pagamento de juros bastante elevados. Da outra vez que esteve na Assembléia, o ex-presidente disse que desconhecia a operação de crédito. Neiwton Silva é um dos últimos a depor na CPI da Ceal. O presidente da Comissão, deputado Temóteo Correia (PTB), e o relator, deputado Paulo Fernando (PT), pretendem votar o relatório até o fim de março. O trabalho de apuração da Assembléia, que começou no ano passado, também se concentrou sobre o contrato de federalização da companhia, assinado em 1996 pelo Estado e o governo federal, o qual já foi anulado pela Justiça de Alagoas. O relatório da CPI deve recomendar o governo do Estado a reassumir a Ceal. Esta indicação já foi feita no ano passado pelos membros da Comissão de Inquérito, de maneira informal, mas não chegou a ser seguida pelo Executivo. Segundo os deputados, além do contrato da federalização ser ilegal e lesivo ao Estado, o dinheiro que Alagoas recebeu como antecipação pela venda da empresa já foi incluído na rolagem da dívida pública.

Mais matérias
desta edição