app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Política

CONSELHO DO FECOEP DEVE TER REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA

.

Por thiago gomes | Edição do dia 25/03/2020 - Matéria atualizada em 24/03/2020 às 20h01

A Assembleia Legislativa Estadual (ALE) aprovou, durante a sessão remota, ontem, requerimentos dos deputados Davi Davino (PP) e Jó Pereira (MDB) pedindo uma reunião extraordinária do Conselho Estadual do Fundo de Combate à Pobreza (Fecoep). A ideia é deliberar sobre a criação de um plano estadual e um programa emergencial, com recursos do fundo, destinados às pessoas em condições de extrema pobreza, que também serão afetadas pela pandemia da Covid-19. Jó Pereira justificou o pedido sob o argumento de que os parlamentares precisam tomar conhecimento dos projetos e do planejamento dos gestores do Fecoep quanto aos recursos destinados. Ela também disse que era necessário dimensionar quantos e quais são os alagoanos que vão ser beneficiados com esta verba. A deputada citou como exemplo o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), que está desativado no Estado. A iniciativa auxiliava os alagoanos inseridos na agricultura familiar, mas não está sendo executado. Destacou também a importância das feiras livres, nos municípios do interior, como um canal que facilita a inserção destas famílias na economia. “Em tempos de pandemia, estas feiras livres não podem ser desativadas. Como ficam estas pessoas, da agricultura familiar, que sobrevivem destes negócios. Entendo que o isolamento é necessário, neste momento, mas não se pode desativar as feiras, que ajudam a manter a agricultura funcionando no Estado”. Ela ainda sugeriu que o Poder Legislativo crie o Comitê da Primavera. Segundo a parlamentar, o grupo trabalharia no sentido de agilizar a votação de projetos que beneficiem a economia local a partir de setembro, mês previsto, pelo Ministério da Saúde, para a pandemia perder força no Brasil. Na mesma linha de discussão, o deputado Antônio Albuquerque (PTB) sugeriu, inclusive, que a reunião do Fecoep, requerida pela ALE, poderia ser realizada no ambiente virtual, como está acontecendo em boa parte dos órgãos públicos. E disse estar preocupado com os exageros em torno do novo coronavírus. “Eu conversei com muitos profissionais médicos de Alagoas e de fora e todos me disseram que este vírus não é tão letal quanto o H1N1. O prejuízo destas medidas de isolamento total da população pode ser mais danoso ao país do que a própria pandemia na saúde”, afirmou.

Mais matérias
desta edição