app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Política

JHC LIDERA PESQUISA DE INTENÇÃO DE VOTO PARA PREFEITO

Já Alfredo Gaspar e Ronaldo Lessa aparecem tecnicamente empatados; eleição pode caminhar para 2º turno na capital

Por Marcos Rodrigues | Edição do dia 01/08/2020 - Matéria atualizada em 01/08/2020 às 08h12

A eleição mais atípica desde que o país vive a era democrática, sem corpo a corpo nas ruas por causa do distanciamento social imposto pela pandemia de Covid-19, começa a ganhar feição de disputa. Pelo menos nos institutos de pesquisa que começam a mostrar fotografias momentâneas do pleito. Na pesquisa realizada pelo Instituto TDL Pesquisa & Marketing, registrada na Justiça Eleitoral sob o número AL04269/2020, em todos os cenários o deputado federal João Henrique Caldas (PSB) figura como favorito na disputa. Entretanto, tendo que disputar o segundo turno onde, no momento estão, embolados num empate técnico - apontado pela margem de erro de 3,47% - o ex-governador Ronaldo Lessa (PDT) e Alfredo Gaspar (MDB), seguidos de longe pelo deputado Davi Davino Filho (PP). Dos pré-candidatos por partidos pequenos, os chamados “nanicos”, entre os 800 eleitores estimulados na pesquisa foram lembrados Cícero Filho - PCdoB (1%), Flávio Moreno - PSL (0,3%), Ricardo Santa Rita - Avante (0,2%), Basile Christopoulos - PSOL (0,2%) e Tácio Melo - Podemos (0,2%). Esses percentuais apareceram no chamado cenário geral da pesquisa. E é nesta condição que a primeira amostragem indica o seguinte: JHC (PSB) 26,8%; Alfredo Gaspar (MDB) 16,2%; Ronaldo Lessa (PDT) 14,2% e Davi Filho (PP) 9,8%. Se aplicada a margem de erro para cima no percentual de Gaspar, ele encosta mas ainda assim perde para JHC. Se retirados o mesmo percentual para baixo é ultrapassado por Lessa. Com o mesmo critério aplicado para Davi, ele encostaria em Ronaldo, mas no momento, sem chances de alavancar seu nome para um eventual 2° turno. Um detalhe importante precisa ser destacado. JHC conta apenas com sua presença diária nas redes sociais, em mídia fixa como outdoors, aparições em sua emissora, a TV Farol, que retransmite sua participação diária na Rádio Farol. Já Alfredo Gaspar, que conta com o apoio do governador Renan Filho e do prefeito Rui Palmeira, teoricamente tem a seu favor duas máquinas administrativas. Já Lessa, que ainda não foi para rua por estar no grupo de risco da Covid-19, conta somente com a força de seu nome, resultado de quase 40 anos de vida pública, sendo ex-prefeito, ex-governador por 2 mandatos e ex-deputado federal. Ou seja, sem se mexer, incomoda sozinho duas máquinas fortes. Davino, por sua vez, conta com a força de sua família, em especial seu pai, o vereador Davi Davino com cinco mandatos, o trabalho social da família feito por meio de atendimento oftalmológico na capital e no interior, além de sua atuação como deputado estadual. Um detalhe é que desde o ano passado tem percorrido as várias regiões da cidade construindo apoios com lideranças e patrocinando competições esportivas. Em seu favor tem a baixa rejeição (2,5%), ainda assim maior que a de Alfredo Gaspar (2%). Aí Lessa dispara com (12,3%), enquanto JHC tem (5,7%).

CENÁRIOS

A pesquisa também criou alguns cenários para o pleito de novembro. Num deles trouxe o estímulo com o nome do ex-vereador, ex-deputado, ex-prefeito por dois mandatos e ex-deputado federal, Cícero Almeida (DC). Quando surge é capaz de desidratar percentualmente votos de JHC e Ronaldo Lessa, mesmo registrando uma rejeição de 11%. Com ele na relação, o percentual de votos para os candidatos fica assim: JHC (PSB) 21,1%; Alfredo Gaspar (MDB) 15,3%, Ronaldo Lessa (PDT) 11,3%, Cícero Almeida (DC) 9,3%, Davi Filho (PP) 9,2%, Cícero Filho (PCdoB) 0,2%; Flávio Moreno (PSL) 0,3%; Ricardo Barbosa (PT) 0,5%, Ricardo Santa Rita (Avante) 0,2%; Basile Christopoulos (PSol) 0,2% e Tácio Melo (Podemos) 0,2%. Uma outra possibilidade apresentada sem Almeida e com os quatro principais nomes para a disputa, o comportamento dos entrevistados revelou o seguinte: JHC (PSB) 27%; Alfredo Gaspar (MDB) 17%, Ronaldo Lessa (PDT) 15% e Davi Filho (PP) 11%. Nesta situação, chama a atenção o fato de Davi crescer percentualmente, mas sem ameaçar Lessa, enquanto o pedetista, se somado o percentual de margem de erro, ultrapassaria Gaspar se este tivesse o mesmo percentual desidratado para menos.

BASTIDORES

Os bastidores do processo eleitoral revelam questões importantes. Tanto no cenário geral quanto nas outras duas construções a média de votos Brancos/Nulos (15%) e Indecisos (16%) é muito elevada. Ou seja, todas as candidaturas terão que se desdobrar para ganhar musculatura junto a estes eleitores, já que tudo indica que uma das peculiaridades da eleição pode ser o alto índice de abstenção, em especial do eleitor de classe média considerado mais esclarecido e com adesão maior ao isolamento social com mais intensidade do que os moradores da periferia. Se por um lado os primeiros são em menor número e influenciam mais nas redes, o segundo têm mais volume, mas também são mais voláteis. Ou seja, migram com mais facilidade de uma candidatura para outra a depender do cenário mais próximo da eleição. Além disso, quase sempre não são tão influenciados por discussões políticas em redes sociais como os de classe média.


Mais matérias
desta edição