app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Política

SMTT NEGA REMOÇÃO DE PUBLICIDADE ELEITORAL DE CARROS

.

Por regina carvalho | Edição do dia 17/10/2020 - Matéria atualizada em 16/10/2020 às 20h41

Em um áudio que circula nas redes sociais, um homem que se identifica como motorista de transporte por aplicativo afirma que foi parado por equipes do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPtran) e da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) e orientado a retirar os adesivos dos candidatos que tinha no veículo. Após a divulgação do áudio e procurada pela reportagem para explicar essa situação, a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) de Maceió esclareceu que, durante as fiscalizações que são realizadas diariamente na capital, não tem autuado e removido veículos que efetuam o serviço de transporte de passageiros por meio de plataformas tecnológicas por possuir publicidade eleitoral. “No entanto, a SMTT informa que de acordo com o Decreto Municipal de número 5.669/97, que dispõe do regulamento dos serviços de transporte público de passageiros em Maceió, é proibido utilizar os veículos de táxi para fazer publicidade de qualquer espécie, principalmente de cunho eleitoral, assim como é terminantemente proibido colocar nestes veículos acessórios, inscrições, decalques ou letreiros não autorizados. Caso um veículo de táxi seja flagrado infringindo o que determina o Decreto Municipal, o condutor é autuado no valor de R$ 110,24 e um processo administrativo para penalizar o permissionário é aberto”, diz a nota. A abordagem teria ocorrido, segundo o motorista, na Praça Afrânio Jorge (Praça Faculdade), no Prado, em Maceió. “Olharam o carro todinho, perguntaram se era aplicativo. Eu disse que era e mostrei o celular. Disseram que não pode ter adesivo de política em carro de aplicativo e de taxistas. Aí mandaram eu tirar o adesivo, tirei e não sei se deram multa. Eles não falaram nada, só mandaram arrancar o adesivo”, diz trecho do áudio divulgado. O tenente-coronel Felipe Lins, comandante do BPTran, informou à reportagem que não recebeu informação sobre esse caso.

Mais matérias
desta edição