app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Política

“Tudo que entra sai’’, diz ministra Benedita

Fortaleza - A ministra da Assistência Social, Benedita da Silva, afirmou que especulações sobre a saída de ministros do governo fazem parte da política. “Isso é da política, é normal. Tudo o que entra sai”, disse, em entrevista ontem, em Fortaleza. Ela es

Por | Edição do dia 20/01/2004 - Matéria atualizada em 20/01/2004 às 00h00

Fortaleza - A ministra da Assistência Social, Benedita da Silva, afirmou que especulações sobre a saída de ministros do governo fazem parte da política. “Isso é da política, é normal. Tudo o que entra sai”, disse, em entrevista ontem, em Fortaleza. Ela esteve na cidade para abrir um seminário de capacitação sobre o Estatuto do Idoso. Benedita disse que ainda não foi chamada para conversar sobre a reforma ministerial, mas garante que apóia possíveis mudanças, caso sejam necessárias. “O objetivo do presidente Lula é ter um sistema único da assistência social. Se para nós termos esse sistema único for necessário o presidente unificar ministérios, criar um outro ministério, que ele o faça, contanto que nós não percamos a oportunidade de reformular, de renovar e de ter uma política de assistência social mais avançada”, afirmou. A ministra, porém, defendeu sua gestão à frente do ministério e disse que o trabalho que desenvolve não é para “promover ministros”. “Não se tem idéia das coisas que estão acontecendo”, afirmou. “Já temos resultados, mudou toda a economia regional, todo o comportamento regional, temos dado passos que considero relevantes, talvez não ao alcance da mídia, porque são coisas quase que pontuais, estamos lá nos rincões. Para nós, isso é que importante”. Benedita afirmou ainda não ter expectativa alguma sobre a reforma ministerial. “Estou fazendo o meu trabalho como se hoje fosse o meu primeiro dia”, disse. “Então, estou aí trabalhando e vou continuar trabalhando, como sempre trabalhei desde os sete anos, é uma prática já faz parte do meu sangue. E não falta coisa para fazer”, afirmou.

Mais matérias
desta edição