app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Política

C�pula governista discute sobre a medida provis�ria

Brasília – A reunião do presidente interino, João Paulo, com o núcleo duro do governo, que aconteceu na manhã desta sexta-feira, no Planalto, tratou em sua maioria da pauta de votação do Congresso Nacional para a próxima semana. De acordo com o líder do

Por | Edição do dia 28/02/2004 - Matéria atualizada em 28/02/2004 às 00h00

Brasília – A reunião do presidente interino, João Paulo, com o núcleo duro do governo, que aconteceu na manhã desta sexta-feira, no Planalto, tratou em sua maioria da pauta de votação do Congresso Nacional para a próxima semana. De acordo com o líder do PT na Câmara, Arlindo Chinaglia (SP), um dos temas abordados foi a tramitação da Medida Provisória (MP) que proíbe o jogo do bingo país e as máquinas eletrônicas chamadas caça-níqueis no País. A avaliação da cúpula governista foi a de que a MP será votada sem pressa no Congresso. Participaram do encontro os ministros José Dirceu (Casa Civil), Luiz Gushiken (Comunicação de Governo), Aldo Rebelo (Coordenação Política), Jaques Wagner (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social) e Antônio Palocci (Fazenda). Chinaglia disse avaliar que a maioria da bancada petista fique a favor da MP. O deputado disse que a avaliação é pessoal e que não falava pela bancada. “Na minha opinião, a maioria da bancada do PT é contrária ao funcionamento dos bingos.” A decisão sobre qual partido indicará o relator do MP deve acontecer na próxima semana, com a retomada dos trabalhos no Congresso. Pesquisa O Planalto vai fazer uma pesquisa para avaliar o estrago do caso Waldomiro Diniz na imagem do governo, do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ministro da Casa Civil, José Dirceu. A pesquisa também vai mensurar a reação às medidas de combate à crise (abafamento da CPI do caso Waldomiro, proibição dos bingos) e à recepção da “agenda positiva”. A avaliação preliminar é que há custo político. Pesquisa telefônica do início da crise apontou que para a maioria era “importante” uma CPI.

Mais matérias
desta edição