app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5751
Política

Neiwton Silva reconhece aval em empr�stimo de US$ 24 mi

O ex-presidente da Companhia Energética de Alagoas (Ceal), Neiwton Silva, atual secretário estadual da Indústria e Comércio, depôs, ontem, pela segunda vez, à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembléia Legislativa, que apura o processo de feder

Por | Edição do dia 11/04/2002 - Matéria atualizada em 11/04/2002 às 00h00

O ex-presidente da Companhia Energética de Alagoas (Ceal), Neiwton Silva, atual secretário estadual da Indústria e Comércio, depôs, ontem, pela segunda vez, à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembléia Legislativa, que apura o processo de federalização da empresa. Na ocasião, Neiwton reconheceu ter avalizado o empréstimo de 24 milhões de dólares contraídos pela companhia de energia junto ao Delta Bank. Neiwton detalhou toda a operação bancária durante duas horas para os deputados estaduais Temóteo Correia (presidente da CPI), Paulo Fernando dos Santos (relator) e Cícero Ferro. Ele explicou que o valor exato do empréstimo foi 27 milhões de dólares, correspondentes a uma parte de uma operação muito maior realizada entre a Eletrobrás e o referido banco, num total de 105 milhões de dólares, divididos entre companhias de energia elétrica de outros Estados, a exemplo de Sergipe (5 milhões) e Mato Grosso do Sul (43 milhões). Operação Neiwton disse que precisou recorrer aos documentos para verificar a operação. Ele justificou os 27 milhões, alegando que o dinheiro foi utilizado para pagar funcionários que aderiram ao Programa de Incentivo à Demissão Voluntária (8,8 milhões de dólares), ao INSS e Imposto de Renda (8,9 milhões de dólares), ICMS ao Estádio (3,8 milhões de dólares) e a fornecedores de materiais (2,9 milhões de dólares). “Na época o dólar estava equivalente à moeda brasileira”, frisou. Apesar de sua assinatura constar nas seis promissórias de pagamento da Ceal ao Delta Bank, Neiwton informou que toda operação foi concretizada entre a Eletrobrás e o banco americano, sem nenhuma participação dele.

Mais matérias
desta edição