app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Política

MANDETTA CITA DESPREZO DE BOLSONARO

.

Por Folhapress | Edição do dia 05/05/2021 - Matéria atualizada em 05/05/2021 às 04h00

Brasília, DF - No primeiro dia de depoimentos na CPI da Covid, o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) contrariou orientações do Ministério da Saúde baseadas na ciência para o combate à pandemia do coronavírus. Em depoimento de mais de sete horas dado nesta terça (4) na comissão, Mandetta também avaliou que o mandatário adotou discurso negacionista que pode ter contribuído para espalhar mais rapidamente a Covid-19. O ex-ministro, demitido por Bolsonaro em 16 de abril de 2020, contou que chegou a escrever uma carta ao presidente em defesa do isolamento, que foi entregue em uma reunião com outros ministros no Palácio da Alvorada. “Era muito constrangedor para um ministro da Saúde explicar que o ministro da Saúde estava indo por um caminho e o presidente por outro”, disse. No documento obtido pela reportagem, com a data de 28 de março do ano passado, Mandetta “recomenda expressamente” ao presidente que reveja o posicionamento adotado, acompanhando as recomendações do Ministério da Saúde, “uma vez que a adoção de medidas em sentido contrário poderá gerar colapso do sistema de saúde e gravíssimas consequências à saúde da população”. As declarações do ex-auxiliar foram consideradas “relevantes” e graves pelo relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), e servirá para que ele verifique indícios de cometimento de crimes por parte de Bolsonaro. Filiado ao DEM, Mandetta é cotado para a disputa ao Planalto em 2022 -ele foi um dos seis presidenciáveis que assinaram manifesto pela democracia em 31 de março, ao lado de Ciro Gomes (PDT), Eduardo Leite (PSDB), João Amoêdo (Novo), João Doria (PSDB) e Luciano Huck (sem partido). A intenção dos senadores ao interrogar Mandetta foi traçar uma linha do tempo -já que ele chefiou a pasta logo no início da pandemia- e verificar quais foram as interferências de Bolsonaro nas medidas para enfrentar o vírus. Uma das linhas de investigação de parlamentares de oposição no colegiado é verificar se o presidente agiu deliberadamente para propagar o vírus na expectativa de que o país atingisse imunidade de rebanho, quando cerca de 70% da população já teria sido infectada pelo vírus. Assim poderia não ser necessário, por exemplo, comprar vacinas. Mandetta disse ter a “impressão” de que o governo buscava a imunidade de rebanho como estratégia para vencer a pandemia.

Mais matérias
desta edição