app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Política Collor avalia que os números já mostram que a recuperação econômica se aproxima no país

EMENDA DE COLLOR GARANTE VERBAS PARA O SETOR TURÍSTICO DE ALAGOAS

Para o senador, o avanço da imunização promete acelerar a retomada das atividades desse segmento

Por Jonathas Maresia | Edição do dia 21/07/2021 - Matéria atualizada em 20/07/2021 às 20h27

O Congresso Nacional aprovou a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) com a emenda apresentada pelo presidente da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo, senador Fernando Collor (PROS), que assegura investimentos para o desenvolvimento de rotas turísticas estratégicas de Alagoas e demais regiões do Nordeste. Após a análise pelas Casas Legislativas, a LDO encontra-se com o presidente Jair Bolsonaro, para sanção.

Ao apresentar a emenda na Comissão Mista de Orçamento, Collor destacou que os investimentos no turismo serão fundamentais para retomada econômica e, também, recuperação dos postos de trabalho que foram extintos desde o começo da pandemia. Os recursos solicitados pelo senador visam incentivar, ainda, projetos voltados para o “aumento da competitividade”.

“Entre as políticas públicas de efetivo impacto para o desenvolvimento regional destaca-se o setor de turismo, pela sua capacidade de articular diversas cadeias produtivas que se inter-relacionam, gerando emprego e renda”, narrou o senador, acrescentando que, no Nordeste, os levantamentos indicam que as atividades turísticas da região são responsáveis por cerca de 6,4% da renda do trabalho e por 5,8% das ocupações.

VACINAÇÃO E RETOMADA DO SETOR

Na avaliação do senador, o avanço da imunização e a adoção de rigorosos protocolos de biossegurança são condições essenciais para a retomada do setor do turismo. O parlamentar destaca que os números econômicos já mostram que a recuperação econômica se aproxima no Brasil.

“Há previsões, de quem prenunciava desastre econômico para o final deste ano, que já anunciam que teremos um crescimento que poderá chegar a mais de 5%; teremos a maior receita do agronegócio da história; condições de empregabilidade maior. Nós teremos condições, sim, de pensar com otimismo, que nos deve contaminar, e não, esse vírus, que nos deixa com pensamento pessimista com a perspectiva de um mundo mais egoísta e isolado”, expôs Collor.

Mais matérias
desta edição