app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5751
Política

ECONOMISTA DIZ QUE PREFEITURAS SOBREVIVEM DE REPASSES FEDERAIS

Segundo Cícero Péricles, situação beneficia principalmente os municípios sem arrecadação própria

Por arnaldo ferreira | Edição do dia 28/05/2022 - Matéria atualizada em 28/05/2022 às 04h00

O professor Cícero Péricles, doutor em economia da Universidade Federal de Alagoas, observou que as prefeituras dependem das transferências federais neste momento. Principalmente do FPM e do IPI- (Imposto sobre Produtos Industrializados). Estados como Alagoas estão sendo beneficiados com o aumento da arrecadação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), porque os preços dos produtos dispararam. Uma parte da arrecadação do ICMS e do Imposto Sobre Veículos Automotores (IPVA) também é transferida para os municípios. “Essa situação beneficia principalmente as pequenas prefeituras que não têm arrecadação própria relevante. Esses municípios vivem das transferências. Alagoas também”. Além desses repasses, Péricles destacou que o Estado recebe anualmente R$ 9 bilhões (quase 90% do orçamento estadual) em pagamento dos segurados da Previdência e 400 mil alagoanos recebem mensalmente R$ 400 do Auxílio Brasil. “Essas transferências aquecem a economia municipal. O que preocupa neste momento é o processo inflacionário que reduz a capacidade de compra dos mais pobres”. Péricles observa que a disputa eleitoral de outubro não causará impactos políticos significativos nos cofres municipais, porque, segundo ele, o processo de discussão envolve temas nacionais e expectativas macroeconômicas. “A vida política municipal está ligada às atividades básicas: saúde, educação, transporte, assistência social, por isso o setor não é um ator proativo. As prefeituras são setores reflexivos”. Ele concorda com a tese de que o futuro governo federal terá que ter uma visão menor de Brasília e maior do Brasil. “Estados e Prefeituras ficam com a responsabilidade de manter os serviços básicos e atender a população. Isto tem que ser acompanhado com o crescimento das transferências orçamentárias dos programas que estão municipalizados”. Os pequenos municípios não suportam as transferências das responsabilidades sem recursos, frisou o professor. O economista observou que a inflação não cairá até o final do ano, e o desemprego também permanecerá em alta. No campo, o desemprego será menor.


AUMENTO DOS CUSTOS ASSUSTA GESTORES MUNICIPAIS

A inflação favorece o aumento da arrecadação, admitem os prefeitos. Por outro lado, é preocupação dos gestores os juros altos e o crescimento dos índices inflacionários que fazem desvalorizar os recursos da arrecadação muito rápido. Por isso, o presidente da Associação dos Municípios, Hugo Wanderley (MDB), recomenda aos prefeitos com dinheiro em caixa que devem aplicar os recursos no mercado financeiro a fim de evitar prejuízos maiores com a defasagem da moeda. “Inflação, apesar de promover o aumento na arrecadação, impacta forte nos serviços e na manutenção da máquina pública, que enfrenta o aumento nos preços dos combustíveis, manutenção da frota municipal e dos insumos. Dessa forma, o aumento na arrecadação pode levar à falsa interpretação porque os custos administrativos também dispararam, e a moeda está perdendo valor se ficar parada”. A AMA tem dados que confirmam que mais de 90% dos municípios do Nordeste, e particularmente de Alagoas sobrevivem, exclusivamente, das transferências federais, dos repasses de parcelas do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do Estado. Com a retomada da economia municipal depois de dois anos de pandemia, a previsão é que os municípios terão dificuldades para fechar as contas. Por outro lado, as prefeituras estão com a economia aquecida por conta dos pagamentos dos Segurados da Previdência e do Auxílio Brasil, que repassa, mensalmente, R$ 400 para mais de 400 mil famílias em situação de extrema vulnerabilidade social. A outra boa notícia é que neste período pré-eleitoral, o governo federal está reduzindo a fila de espera para novos candidatos ao auxílio. Os comerciantes e prefeitos lamentam, porém, que a inflação corrói o poder de compra das famílias. O botijão de gás custa mais de R$ 110, e as contas de luz consomem a metade do Auxílio Brasil.

As perspectivas para 2022, segundo o prefeito Hugo Wanderley, são preocupantes por causa do processo inflacionário, dos benefícios fiscais implantados pelo governo federal para alguns setores. Isso impactará na queda da arrecadação e na falta de um programa definido para a retomada da economia. “A maioria dos 5,5 mil prefeitos estão preocupados com o futuro”. Mesmo assim, o processo eleitoral não atrapalha a gestão municipal. “O maior desafio dos prefeitos é enfrentar os problemas sociais, com o aumento da miserabilidade e do desemprego”, disse o presidente da AMA ao recomendar aos gestores que dialoguem com as autoridades federais, estaduais e segmentos produtivos para que possam ajudar a retomada do crescimento do Brasil, Estados e Municípios.


REAJUSTE

O prefeito de Coruripe, Marcelo Beltrão (PP), também considerou que os gestores voltaram a enfrentar dificuldades por conta da inflação, aumentos dos combustíveis e por consequência do custo de vida. “Os programas federais não têm reajustes, e os prefeitos agora fazem o que é possível para manter setores vitais como saúde, educação e assistência social e manter os investimentos em obras de infraestrutura”. Ele não considera que a disputa eleitoral do momento comprometa a gestão municipal. Ao ser questionado o que espera do futuro presidente foi taxativo: “Espero uma gestão federal com menos Brasília e mais Brasil”.


SERTANEJO

O prefeito Jorge Dantas (PSDB), que pela quarta vez foi eleito para a prefeitura sertaneja de Pão de Açúcar, também trabalha com cautela e observa que o aumento na arrecadação pode ser ilusório, “Todo mundo sabe que a inflação é o melhor imposto que existe para arrecadar. Mas, para a população é um desastre. Se por um lado a nossa arrecadação aumenta, por outro, as despesas seguem no mesmo ritmo e a gente não pode aumentar os nossos tributos na mesma proporção”. Como exemplo citou o caso da licitação para a compra de combustíveis da prefeitura cujo custo mais que dobrou em um ano.

Pão de Açúcar, além das transferências federais, tem no FPM a maior arrecadação, em média chega a R$ 2 milhões/mês. Porém, os pagamentos das obrigações previdenciárias patronal que estavam em 21% agora estão em 54%. Atualmente, a prefeitura gasta 53% da arrecadação com pagamento da folha de pessoal. O limite estipulado pela Lei de Responsabilidade Fiscal com gasto da arrecadação com a folha do funcionalismo é de 54% da receita. Com relação à disputa eleitoral, considerou que “atrapalha principalmente na relação com o governo do Estado. Neste momento vivemos uma instabilidade muito grande. Mas a disputa faz parte do processo democrático”, disse o prefeito.

Mais matérias
desta edição