app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5756
Política

RECENSEADORES DEVEM VISITAR 1,1 MILHÃO DE DOMICÍLIOS EM ALAGOAS

Trabalho será feito por 2,6 mil pesquisadores em todo o Estado; coleta de dados foi iniciada ontem e vai durar três meses

Por Fábio Costa | Edição do dia 02/08/2022 - Matéria atualizada em 02/08/2022 às 04h00

Cerca de 2,6 mil recenseadores vão percorrer os 102 municípios pelos próximos três meses; expectativa é entrevistar mais de 3 milhões de pessoas O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) deu início ontem à coleta domiciliar do Censo Demográfico 2022. Em Alagoas, a pesquisa ocorrerá nos 102 municípios pelos próximos três meses (até 31 de outubro), onde 3,3 milhões de pessoas devem ser ouvidas. A expectativa é que 1,1 milhão de domicílios recebam a visita do recenseador, incluindo aldeias indígenas e territórios quilombolas. Por causa da pandemia, o último censo foi realizado há 12 anos, em 2020. O Censo tem um papel importante para toda a sociedade, pois é através deles que políticas públicas podem ser direcionadas da forma correta e para quem precisa. O levantamento realiza uma ampla coleta de dados sobre a população brasileira e permite traçar um perfil socioeconômico do país. Serão disponibilizados um questionário básico e um outro mais amplo. No entanto, a seleção da amostra que irá responder o questionário ampliado é aleatória e é feita automaticamente no Dispositivo Móvel de Coleta (DMC) do recenseador. O superintendente do IBGE em Alagoas, Alcides Tenório Júnior, explica como deve ocorrer a pesquisa in loco. “Estamos iniciando a fase de coleta, que é quando os recenseadores vão a campo visitar os domicílios para coletar os questionários. Neste momento, os recenseadores vão confirmar a nossa relação de endereços, se for necessário, incluir ou excluir domicílio, e logo após, eles aplicam o questionários. São dois questionários: um básico, com cerca de 26 questões, que são aplicadas em todos os domicílios. Entretanto, por amostra, e isso o sistema que define, alguns domicílios são selecionados para o amostral, e esse questionário tem até 77 questões, que esmiúça muito mais vários temas que estamos coletando”. Segundo Alcides, nenhum domicílio deixará de participar da pesquisa. “O IBGE se preocupa muito com isso e por isso temos o que chamamos de percurso e cobertura. Então, temos métodos já bastante utilizados pelo IBGE há anos que garantem que o recenseador não deixe passar nenhum domicílio. O nosso sistema mostra onde nosso recenseador está passando, então, por fotos de satélite, no próprio sistema do recenseador e no do supervisor, tem condição de verificar se o recenseador bateu o ponto do GPS naquele domicílio e aplicou o questionário, senão, aquele domicílio não foi recenseado”. O Censo brasileiro é uma das maiores operações censitárias do mundo. Em Alagoas, cerca de 1,1 milhão de domicílios serão visitados. “O Censo, em qualquer país do mundo, é a principal pesquisa realizada e por vários motivos. Todo sistema estatístico nacional acaba tendo como espinha dorsal o Censo. Outro motivo é que nós vamos em todos os domicílios e recenseamos todas as famílias e com isso a gente garante ter informações não só para o estado de Alagoas ou a Região Metropolitana de Maceió, como é o caso da nossa pesquisa PNAD,mas conseguimos públicas as informações para qualquer município do estado e até do setor censitário. Essas informações podem ser usadas pelo empresário para entender o público que ele quer alcançar e, principalmente, para os gestores públicos porque é exatamente aí que a grande importância do Censo se manifesta, quando os gestores têm condição de usar os dados para diversas iniciativas”. Ele destaca a importância do Censo durante a pandemia da Covid-19, por exemplo. “Só é possível entender qual é a população a nível de município com o Censo. Então, os dados para a Covid agora foram do Censo 2010, porque justamente no ano que a Covid surgiu, nós íamos fazer o Censo, que era em 2020, então a sociedade acabou trabalhando com dados de 2010 para fazer distribuição das vacinas, por exemplo, para estimar as faixas etárias que recebiam as vacinas. Agora, nós vamos atualizar tudo isso e a sociedade terá essas informações na palma da mão”, ressaltou. Questionário pode ser respondido por internet ou telefone Este ano, o questionário do IBGE também poderá ser respondido por telefone ou na internet, na impossibilidade de ocorrer de forma presencial. Para tanto, é necessário que o recenseador faça contato com o morador. A partir daí, o cidadão poderá realizar ou agendar a entrevista presencial, marcar com o recenseador uma entrevista por telefone ou optar pelo auto preenchimento via internet. Se escolher responder pela internet, o informante receberá um e-ticket, com validade de sete dias. “Em caso do morador não estar disponível no domicílio, ele pode utilizar dessa outras ferramentas para responder ao questionário. O recenseador pode retornar ao domicílio por quatro vezes. Se ainda assim não for possível aplicar o questionário, a opção pelo telefone e pela internet são válidas”.

IDENTIFICAÇÃO

A população precisa ficar atenta às informações do recenseador. Eles estarão sempre uniformizados, com o colete do IBGE, boné do Censo, crachá de identificação e o DMC. Além disso, é possível confirmar a identidade do agente do IBGE no site Respondendo ao IBGE ou pelo telefone 0800 721 8181. “O recenseador vai sempre se apresentar com um coletor do IBGE, um boné e o dispositivo de coleta. Mas, o mais importante está no crachá, que é a identificação do recenseador. A gente recomenda que façam o reconhecimento do recenseador com as informações que estão no crachá e esse reconhecimento pode ser feito pelo 0800 721 8181 ou pelo site: respondendo.ibge.gov.br, que pode ser acessado por meio do QR code que está no crachá. é só colocar a identificação do recenseador e você vai poder confirmar se é aquela pessoa que está na sua frente”, explica. Parcerias foram firmadas entre o IBGE, associações de administradoras de imóveis e condomínios. O objetivo é propagar o máximo de informação e orientação para moradores, síndicos, porteiros e zeladores, garantindo a integridade tanto dos moradores a serem visitados quanto dos recenseadores do IBGE em coleta nas ruas. Uma iniciativa do IBGE em Alagoas, está ajudando a disseminar as informações dentro de condomínios fechados. A partir deste ano, cartazes com dados, incluindo fotos, dos recenseadores que vão atuar nessas localidades, serão colocados nos prédios.

Mais matérias
desta edição