app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5717
Política

PAULO É REELEITO GOVERNADOR COM 52,33% DOS VOTOS VÁLIDOS

Candidato derrotou Rodrigo Cunha por mais de 74 mil votos e venceu em 80 dos 102 municípios alagoanos

Por ANNA CLÁUDIA ALMEIDA | Edição do dia 01/11/2022 - Matéria atualizada em 31/10/2022 às 23h37

O governador Paulo Dantas (MDB) foi reeleito para o cargo neste domingo (30), após o fim do segundo turno das eleições gerais, com 52,33% (834.278) dos votos válidos. Ele disputou o cargo com Rodrigo Cunha, que ficou com 47,67% - o que equivale a 759.984 votos.

De acordo com os dados do Tribunal Regional Eleitoral (TRE/AL), Dantas venceu em 80 dos 102 municípios alagoanos. Mesmo diante dos números expressivos, o emedebista perdeu para Rodrigo Cunha (UB) nos três maiores colégios eleitorais de Alagoas, que são Maceió, Arapiraca e Rio Largo. Cunha foi apoiado pelos prefeitos destes municípios. A diferença entre o atual governador e o candidato derrotado Rodrigo Cunha foi de 74.294 votos.

Em seu reduto eleitoral, a cidade de Batalha, no Sertão de Alagoas, Dantas ganhou com 74,8% dos votos, ante 25,1% de Cunha. Paulo venceu em todos os municípios da região do Baixo São Francisco.

No Sertão, Dantas perdeu apenas em dois municípios: Ouro Branco e Canapi. Nestas duas cidades, os gestores municipais apoiaram Rodrigo Cunha.

Das 15 cidades litorâneas, o governador reeleito venceu em oito, contra vitória do candidato derrotado em sete. Quando somados os eleitores que deixaram de votar e os que votaram em branco e nulo, o número é de 728.642, quase a mesma quantidade de votos de Rodrigo Cunha.

A cidade que registrou a disputa mais acirrada entre os dois candidatos foi Boca da Mata. Cunha ganhou com uma diferença de 124 votos para Dantas. Foram 6.363 votos para Cunha e 6.239 para Dantas, totalizando 50,49% para o primeiro e 49,51% para o segundo.

Pariconha teve a disputa com a maior diferença de votos. A cidade sertaneja deu 92% dos votos válidos para Paulo Dantas, o que representou 5.609 votos, ante 485 de Cunha, que teve 7,96% dos votos válidos. Por lá, Cunha teve menos votos que os brancos e nulos, que somaram 607 votos.

No primeiro turno, Paulo Dantas ficou com 46,64 %, o equivalente a 708.984 votos, enquanto Cunha atingiu 26,79%, com 407.220 eleitores. Collor (PTB) ficou em terceiro lugar, alcançando 14,71%, uma quantidade de 223.585 votos. Em quarto ficou Rui Palmeira (PSD), com 10,38% ou 157.746 votos.

NOS BRAÇOS DO POVO

Assim que o TRE finalizou a contagem dos votos, Paulo Dantas foi ao encontro dos eleitores na orla de Maceió, onde arrastou uma multidão na festa de comemoração.

Com trio elétrico, que saiu do comitê do governador no Pierre Chalita, no Jaraguá, os eleitores seguiram em direção à orla, onde recepcionaram Dantas por volta das 22h.

Desde o final da tarde de hoje que os eleitores se reuniram em frente ao comitê para acompanhar o resultado das eleições por um telão que foi colocado no local.

Antes mesmo do resultado oficial divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o clima já era de vitória entre os que se concentravam na localidade. Dantas chegou à orla de Maceió acompanhado pelo vice-governador Ronaldo Lessa (MDB), deputado Paulão (PT), dentre outros apoiadores.

ELEIÇÕES INDIRETAS

Paulo Dantas foi eleito governador de Alagoas em maio deste ano, em uma eleição indireta na Assembleia Legislativa de Alagoas, após o ex-governador Renan Filho interromper seu mandato em 2 de abril de 2022, quando renunciou para concorrer ao cargo de senador nas eleições de outubro. À épocas, o vice-governador eleito é o médico José Wanderley. A chapa emedebista recebeu 21 votos dos 27 possíveis.

TRAJETÓRIA POLÍTICA

Natural de Maceió, ele é produtor rural com formação em administração de empresas. foi eleito prefeito do município de Batalha, Sertão de Alagoas, por dois mandatos consecutivos (2005/2008 e 2009/2012). O município é reduto eleitoral de sua família. Eleito deputado estadual nas eleições de 2018, quando obteve 38.397 votos, exerceu o mandato popular na 19ª legislatura do Parlamento alagoano.

Mais matérias
desta edição