app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5712
Política

PT de Alagoas promete atuar na interlocução direta entre Lula e paulo

Partido faz parte da base de apoio do governador alagoano e quer alinhamento com os projetos do presidente eleito

Por arnaldo ferreira | Edição do dia 12/11/2022 - Matéria atualizada em 12/11/2022 às 04h00

Os partidos que formam a federação PT, PV e PCdoB e que junto com o PDT e outras siglas compuseram o núcleo político da coligação do projeto de reeleição do governador Paulo Dantas (MDB), além de ocupar espaços de Poder na gestão estadual com três secretarias e duas autarquias, reivindicam mais visibilidade na composição para trabalhar também numa área de políticas sociais. O objetivo é se alinharem com projetos do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A informação é do presidente da federação e do diretório estadual do PT, advogado Ricardo Barbosa, ao destacar que o seu grupo político apoia a gestão do governo de Alagoas e atuará na interlocução direta entre o presidente Lula e o governador Paulo Dantas. A equipe política da federação não integra as equipes de transição dos governos federal e estadual, porém demonstra alinhamento com os dois momentos de composição e reformulação de gestões. Ricardo Barbosa acredita que o Nordeste será uma região forte politicamente, no processo de formatação do governo federal e ficará mais visível a partir de 1º de janeiro de 2023. No plano federal, Barbosa destacou que o presidente Lula é muito próximo de Alagoas e a aproximação ocorre também, segundo ele, via apoios de políticos com posições estratégicas e com parlamentares de destaques no Congresso Nacional, como o caso do senador Renan Calheiros (MDB/AL) que está na equipe de transição junto com senador Jader Barbosa (MDB/PA).

Nacional

Ao ser questionado se o PT de Alagoas manteve contatos com a equipe de transição liderada pela presidente do diretório nacional, Gleisi Hoffmann, o presidente do diretório estadual disse que “não”. Ele explicou que é comum na prática interna do partido “a gente aguardar que a direção nacional se posicione. Acredito que a direção nacional do PT deverá convocar, nos próximos dias, uma reunião da direção Executiva que reúne os diretórios nacional e estaduais. A partir daí nos posicionaremos e nos envolveremos mais com esta discussão a respeito do papel dos diretórios estaduais na nova conjuntura política. Faremos uma análise aprofundada a respeito dos resultados eleitorais nos 1º e 2º turnos. Neste momento estamos no compasso de espera e acompanhando as articulações que ocorrem em Brasília e em Alagoas”. Com relação às alianças que o diretório nacional vem articulando com MDB, PDT, PSD e outros partidos e políticos para ampliar a base de apoio a Lula no Congresso Nacional, inclusive com parlamentares do Centrão, Ricardo Barbosa, preferiu não opinar.

Destacou, no entanto, a importância do Nordeste no cenário político que consolidou com outras regiões do País a vitória de Lula. “O Nordeste é um polo de resistência. A região é uma cidadela, inclusive das candidaturas do PT. Este ano, isto se repetiu. Tanto que elegeu Lula, governadores e os principais aliados na região e particularmente em Alagoas”.

Ricardo Barbosa destacou a posição estratégica no Nordeste para este novo momento do seu partido, dos aliados e isto o leva acreditar que “as lideranças políticas que possibilitaram a vitória política serão importantes na composição do governo Lula”.

Segundo ele, o PT na eleição passada elegeu três governadores, além de aliados e uma grande bancada de senadores e deputados. “Do ponto de vista eleitoral o Nordeste tem relevância, proeminência e é necessário que isto se traduza do ponto de vista do Poder”.

Plano Local

Em entrevista que concedeu à imprensa na semana passada, o governador Paulo Dantas revelou que seu governo será formado com o partido dele (MDB) e com os que participaram da aliança no projeto de reeleição. Destacou a participação da federação de esquerda e também do PDT, com o vice-governador Ronaldo Lessa. Sobre isso, o presidente do PT e da federação disse acreditar na continuação com espaços na gestão do Executivo estadual. “Estamos esperando ser chamados para conversar a respeito da formatação do governo”, afirmou. Com relação à de transição que está sendo coordenada pela secretária de Estado do Planejamento, Renata Santos, o presidente do PT disse tratar-se de um processo tranquilo, “porque não é de gestões antagonistas, como acontece no governo federal”. “Aqui, é uma ação de passagem. Na verdade, a transição vem sendo trabalhada desde que Paulo Dantas foi eleito para concluir a gestão do governo anterior, em maio passado, e agora assumirá para governar os próximos quatro anos”, completou. Segundo Barbosa, o governo Lula terá que reativar os programas sociais, trabalhar para aumentar as ofertas de empregos, desenvolver políticas públicas, destinar recursos para as farmácias populares, auxílio emergencial e outros programas de transferência de renda que perderam recursos no orçamento do próximo ano. No Plano estadual, o presidente do PT de Alagoas fez coro com o governador: “Políticas Públicas de benefício social é a prioridade. O Estado, como o País, precisa reduzir o elevado índice de brasileiro na linha da miséria. Em poucos meses de governo, a gestão estadual já vem trabalhando nessa direção com programas como o Projeto Cria, de Bolsas na Educação, restaurantes populares, investimentos fortes na saúde e na agricultura familiar”, disse Ricardo Barbosa.

Mais matérias
desta edição