app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5749
Política

COMISSÃO ESPECIAL DA CÂMARA QUER AFASTAR O PREFEITO DE ARAPIRACA

Fake news tenta esvaziar CPI e vereadores pedem apoio dos Tribunais de Contas da União e do Estado

Por Arnaldo Ferreira | Edição do dia 21/01/2023 - Matéria atualizada em 21/01/2023 às 04h00

Arapiraca – Não é possível afirmar que existe uma “máfia” que explora o negócio do lixo em Arapiraca. Mas há indícios da existência de um “poderoso esquema” que desde 2014 ganha autorização e muito dinheiro público da prefeitura de Arapiraca para fazer a coleta de lixo sem enfrentar concorrência. Quem afirma é o presidente da Comissão Especial de Investigação -– Cei é uma CPI – da Câmara de Vereadores, o vereador José Carlos Barbosa, conhecido como vereador Zé Carlinhos (PSC). “A gente vai encaminhar ao Ministério Público Estadual um pedido de afastamento do prefeito Luciano Barbosa (MDB) para a CPI aprofundar as investigações a respeito de um suposto esquema do lixo na cidade”, revelou o vereador. Circulou nos bastidores políticos do município, nos veículos de comunicação do estado, um vídeo onde o aparece o presidente da CPI do Lixo, vereador Zé Carlinhos (PSC) aparece visivelmente alcoolizado e sofrendo chacota de colegas vereadores. Segundo as informações dos bastidores, o vídeo teria sido feito no ano passado na campanha eleitoral de um dos candidatos majoritários ao governo do estado. O presidente da Câmara dos Vereadores, vereador Thiago ML (Pros), diz que o vídeo foi feito na casa de Zé Carlinhos no dia do aniversário dele, em 25 de setembro de 2021. “Portanto, a informação divulgada com o vídeo é fake news. Ele bebeu na comemoração do aniversário e um dos colegas filmou. A divulgação do vídeo, além de ser ato maldoso, é mais uma tentativa de tumultuar e esvaziar a CPI. Mas, as investigações continuam”, disse o presidente da Câmara. O vereador Zé Carlinhos não quis comentar o caso. Mas, adiantou que o pedido de afastamento do prefeito Luciano Barbosa, ao Ministério Público Estadual, será adotada porque, segundo ele, prefeitura não fornece documentos sobre a transação com o lixo na gestão atual, “daí a possibilidade de uma medida extrema”, disse o vereador. A “CPI do Lixo” como é conhecida na cidade já encaminhou requerimentos aos Tribunais de Contas da União, do Estado, Ministérios Públicos Federal e Estadual solicitando ajuda para investigar também a denúncia que chegou ao legislativo municipal, com farta documentação. Os documentos foram entregues aos órgãos de fiscalização e controle. O prefeito Luciano Barbosa perdeu o apoio da maioria dos vereadores dos 19 vereadores da cidade, 10 compõem a CPI que investiga os pagamentos, sem licitação, que somam mais R$40 milhões, em dois anos, para a empresa Ciane Soluções Ambientais. A empresa, que há 20 anos mudou de nome algumas vezes, é responsável pela coleta de 55% do lixo da área urbana e rural, sem enfrentar concorrência. A CPI se comprometeu com os órgãos de fiscalização e controle de encaminhar o relatório final das investigações parlamentares.

Mais matérias
desta edição