app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Política

K�tia Born assume a Sa�de e afasta PSDB do governo Lessa

REGINA CARVALHO Festa e muita amabilidade. Esse era o clima ontem no Palácio Floriano Peixoto durante a posse da ex-prefeita de Maceió, Kátia Born na Secretaria Executiva de Saúde. Kátia substituiu o tucano Álvaro Machado, que foi demitido do cargo pelo

Por | Edição do dia 26/01/2005 - Matéria atualizada em 26/01/2005 às 00h00

REGINA CARVALHO Festa e muita amabilidade. Esse era o clima ontem no Palácio Floriano Peixoto durante a posse da ex-prefeita de Maceió, Kátia Born na Secretaria Executiva de Saúde. Kátia substituiu o tucano Álvaro Machado, que foi demitido do cargo pelo governador Ronaldo Lessa para acomodar os membros do PSB que perderam a eleição municipal para Cícero Almeida (sem partido) e para ampliar a base aliada visando 2006. A posse foi realizada no auditório do Palácio, que ficou pequeno diante do número de autoridades e de ex-assessores que se aglomeraram para assistir à solenidade, e ocorreu no mesmo dia em que o PSDB se reuniu para avaliar a situação do partido depois de perder a pasta da Saúde para a ex-prefeita. “O PSDB foi nosso parceiro e, por decisões circunstanciais, não está mais no governo, mas espero que seja por pouco tempo”, disse o governador Ronaldo Lessa durante a posse. Na tentativa de apaziguar os ânimos dos tucanos, Lessa dedicou seu discurso ao senador Teotonio Vilela Filho e à contribuição dada, segundo ele, por Álvaro Machado ao seu governo. “Convidei o Álvaro para continuar na administração, mas ele não quis. Sei que a escolha da Kátia agradou a uns e desagradou a outros, mas foi uma escolha política”. Os tucanos, por sua vez, decidiram, durante a reunião realizada em um hotel na Ponta Verde, continuar afastados do governo Lessa até que se desenhe o quadro político de 2006. O partido defende a candidatura ao governo do Estado do senador peemedebista Renan Calheiros, hoje aliado a Lessa, mas não abre mão da indicação do vice, independente das alianças a serem firmadas. As ameaças de oposição foram substituídas por independência partidária. O ex-secretário Álvaro Machado garantiu não guardar mágoa do governador por causa de sua saída da Saúde e acenou com a possibilidade de aceitar a proposta de trabalho feita pela reitora da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Ana Dayse Dórea. Além da Ufal, Machado também foi convidado pelo ministro da Saúde, Humberto Costa para compor o quadro do ministério, em Brasília (DF). “Na próxima quinta-feira estarei em Brasília para conversar com o ministro, mas não quero sair de Alagoas”, afirmou. Já a ex-prefeita Kátia Born descartou o mal-estar criado com sua ida para a Saúde no lugar de Machado e disparou: “Nem adianta quererem infernizar minha relação com Álvaro Machado com fofoca, porque existe uma amizade entre eu e ele há muito tempo”. Em vez de abordar seus planos à frente da pasta da Saúde, Kátia usou seu discurso para criticar a desativação dos “pardais” pelo prefeito Cícero Almeida. “Isso também é uma questão de bem-estar, de qualidade de vida. Não era para esses pardais serem desativados”, afirmou. Projeto político Ainda durante a solenidade de posse no Palácio dos Martírios, o secretário-executivo de Educação e deputado federal licenciado, Maurício Quintella, que está migrando do PSB para PDT, antecipou que colocará seu nome na disputa eleitoral pelo governo do Estado, caso o senador Renan Calheiros resolva desistir de se candidatar ao cargo. “O nosso candidato natural é o senador Renan Calheiros, com a aprovação do próprio governador e do nosso grupo político. Mas se por acaso ele desistir, coloco meu nome à disposição”, afirmou. Quintella garantiu que levará com ele para o PDT cerca de dez prefeitos, “interessados em participar do novo projeto do governador”. Quintella não adiantou nomes de outros possíveis filiados ao PDT, apenas reforçou a tese de que o partido receberá novas adesões depois que sua filiação for concretizada.

Mais matérias
desta edição