app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5749
Política

Pistoleiros fuzilam Jac� Cardoso Ferro

MAIKEL MARQUES Sucursal Arapiraca – O presidente da Câmara de Vereadores e secretário de Administração da Prefeitura de Minador do Negrão, Jacó Cardoso  Ferro, foi assassinado na tarde  de ontem, na rodovia BR-316,  que cruza o centro da cidade de Estr

Por | Edição do dia 29/01/2005 - Matéria atualizada em 29/01/2005 às 00h00

MAIKEL MARQUES Sucursal Arapiraca – O presidente da Câmara de Vereadores e secretário de Administração da Prefeitura de Minador do Negrão, Jacó Cardoso  Ferro, foi assassinado na tarde  de ontem, na rodovia BR-316,  que cruza o centro da cidade de Estrela de Alagoas. Jacó era  primo do deputado estadual Cícero Ferro (PMDB), mas seu opositor político. Era ligado a José Nilton Cardoso Ferro, que tem prisão decretada pela Justiça por ser acusado de comandar a emboscada contra Cícero Ferro, em 31 de janeiro do ano passado. Jacó Ferro foi alvejado com tiros de pistola – sendo cinco no tórax e dois na cabeça – disparados por um dos dois ocupantes de uma motocicleta Honda CG 125. O veículo da vítima, um Fiat Uno (MVD 6039-Arapiraca) foi interceptado quando reduziu a velocidade ao se aproximar de um quebra-molas. Jacó Ferro havia viajado ontem pela manhã a Palmeira dos Índios para resolver pendências financeiras na agência do Banco do Brasil. Ele teria circulado pelo centro da cidade até às 13h, quando decidiu regressar a Minador do Negrão em companhia de um policial militar contratado para fazer sua segurança e de três familiares que estavam com ele: o primo José Joel Matos, o tio Gideão Roque Matos e o sobrinho Marcos Barbosa. Jacó Ferro conduzia o próprio veículo, mas perdeu o controle do carro depois de ser atingido pelos primeiros disparos. O carro subiu no canteiro, bateu num poste, derrubou uma árvore e só parou depois de capotar. Dentro do veículo, ele levava quatro relatórios de gestão fiscal da Câmara de Vereadores relativos ao 2º semestre de 2004. A ação criminosa, segundo testemunhas, durou no máximo um minuto. Para não chamar a atenção, o autor dos disparos teria utilizado uma pistola com silenciador no cano. José Joel Matos, sobrinho de Jacó, levou um tiro de raspão no braço e foi levado por populares ao Hospital Regional Santa Rita, em Palmeira. As outras três vítimas tiveram apenas ferimentos leves. Os autores do assassinato trafegavam numa motocicleta CG 125 vermelha e sequer pararam no local do crime. “Eles atiraram sem descer da motocicleta”, relatou um agente da Polícia Civil. Depois dos disparos, fugiram em alta velocidade pela BR-316 na direção de Minador do Negrão. Dezenas de populares testemunharam o crime, mas ninguém quis comentar o que viu. O episódio mobilizou dezenas de policiais civis e militares de Estrela de Alagoas, Minador do Negrão, Palmeira dos Índios e Arapiraca. Silêncio A notícia do crime logo se espalhou pela região e atraiu uma multidão de curiosos. Autoridades policiais isolavam o cenário do crime quando começaram a chegar os primeiros parentes da vítima, mas nenhum quis falar com a imprensa. O clima era de comoção e revolta. Inc onformados com a demora na chegada dos peritos do Instituto de Criminalística (IC), familiares insistiam na retirada e conseqüente transporte do cadáver até o Instituto Médico Legal (IML) de Arapiraca. Oficiais do 10º Batalhão da PM intervieram na discussão e, depois de muito diálogo, convenceram os familiares de que o corpo só seria removido com autorização dos delegados envolvidos na investigação do crime. O levantamento pericial começou às 16h e chegou ao fim às 17h20, quando o corpo de Jacó Ferro foi retirado do Fiat Uno e colocado no rabecão para que fosse transportado ao IML de Arapiraca, onde foram feitos os exames de necropsia.

Mais matérias
desta edição