app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5758
Política

Celso diz que s� vai pensar em sair do PSB “no meio do ano”

ODILON RIOS O presidente da Assembléia Legislativa, deputado Celso Luiz (PSB), confirmou ontem a possibilidade de deixar o PSB por outro partido, mas diz que só vai “pensar nisso a partir do meio do ano”, conforme nota oficial divulgada no final da tarde

Por | Edição do dia 04/02/2005 - Matéria atualizada em 04/02/2005 às 00h00

ODILON RIOS O presidente da Assembléia Legislativa, deputado Celso Luiz (PSB), confirmou ontem a possibilidade de deixar o PSB por outro partido, mas diz que só vai “pensar nisso a partir do meio do ano”, conforme nota oficial divulgada no final da tarde por sua assessoria. “A tendência é continuar no PSB”, diz também, ambiguamente, a nota. Na última terça-feira, o presidente da ALE cogitou sua saída do PSB, mas descartou a possibilidade de ir para o PDT – futura nova legenda do governador Ronaldo Lessa. Celso disse que iria para um “partido pequeno”. A GAZETA apurou que este partido seria o PMN. Na nota divulgada ontem, Celso fez questão de mostrar que está em harmonia política com Ronaldo Lessa, mesmo ele entrando no PDT. “Desde a primeira campanha que Ronaldo fez para governador, estive ao seu lado e nunca houve qualquer desentendimento, mesmo na época eu estando em partido diferente”, disse o deputado. “Agora não seria diferente. Inclusive, meu candidato ao senado é o atual governador Ronaldo Lessa”, completou. O “clima de harmonia” entre o presidente da ALE e o governador contrasta com os bate-bocas registrados entre Celso e o secretário regional do PSB, Wellisson Miranda, após Celso ter defendido em público os deputados estaduais Maria José Viana e Marcos Ferreira. Ontem, um dia depois de a GAZETA divulgar a possibilidade do presidente da ALE sair do PSB, o governador Ronaldo Lessa evitou a imprensa. Pela manhã, após a solenidade de comemoração dos 173 anos da Polícia Militar, Lessa despistou os jornalistas e saiu “à francesa”, indo direto para o Palácio Floriano Peixoto, onde permaneceu incomunicável até o final do dia. Quem falou foi a secretária de Saúde e ex-prefeita, Kátia Born. “Está tudo em harmonia”, resumiu ontem, no final da manhã, à Rádio GAZETA, lançando seu nome, o de Celso Luiz e o do vice-governador Luis Abílio ao governo do Estado. Conforme apurou a GAZETA, Celso estaria deixando o PSB por estar insatisfeito com o quadro configurado em torno da candidatura governista em 2006. Celso é apontado como possível vice na chapa do senador Renan Calheiros (PMDB), mas ganha força para ser o cabeça de chapa diante da possibilidade de rompimento com o PSB ou de desistência de Renan. O presidente estadual do PMN, pastor Ildo Rafael, afirmou ontem que a proposta do presidente da Assembléia entrar no PMN foi feita logo após as eleições do ano passado, pelo próprio Celso, mas não foi levada a sério. “Ele me perguntou se teria uma vaga no PMN para ele, e eu apenas ri”.

Mais matérias
desta edição