app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5754
Política

Lessa se re�ne com Celso Luiz para tentar acalmar os �nimos

ODILON RIOS No mesmo dia em que a GAZETA revelou a probabilidade de o presidente da Assembléia Legislativa (ALE), deputado Celso Luiz, sair do PSB para entrar no PMN, o governador Ronaldo Lessa (PSB) tratou de botar panos quentes no assunto. Na quinta-fe

Por | Edição do dia 05/02/2005 - Matéria atualizada em 05/02/2005 às 00h00

ODILON RIOS No mesmo dia em que a GAZETA revelou a probabilidade de o presidente da Assembléia Legislativa (ALE), deputado Celso Luiz, sair do PSB para entrar no PMN, o governador Ronaldo Lessa (PSB) tratou de botar panos quentes no assunto. Na quinta-feira à noite, Lessa se reuniu com Celso Luiz e, ontem à tarde, durante a posse do novo presidente da Agência Alagoana de Habitação e Urbanismo, garantiu: “Nossa relação está ótima. Celso é uma grande liderança de projeção”, disse Lessa, lançando o presidente da ALE para vários cargos. “Celso é um grande nome para disputar a Câmara Federal, para ser vice e até para o governo do Estado”, disse, disparando para todos os lados. Na tentativa de esfriar os ânimos, o governador fez um convite em público para Celso ir com ele para o PDT. “A partir de já, ele está convidado”, afirmou Lessa, aconselhando, no entando, Celso a permanecer no PSB. Na última terça-feira, o presidente da ALE havia dito que, caso saísse do PSB não seria para ingressar no PDT. Entrevistado na última quinta-feira por telefone sobre a possibilidade de ser candidato a vice-governador, Celso Luiz respondeu que aceitaria se fosse para compor com o senador Renan Calheiros. Questionado se aceitaria fazer chapa com o senador Teotonio Vilela Filho (PSDB) ou com a secretária de Saúde e ex-prefeita Kátia Born (PSB), o presidente da ALE foi taxativo: “Só se for com Renan”. Na mesma conversa, ele não descartou o apoio a outros candidatos, inclusive de oposição ao projeto do governador Ronaldo Lessa, como o deputado federal João Lyra (PTB). Sobre a rejeição de Celso a outros nomes para disputar o governo do Estado, Lessa evitou polemizar: “Ele tem o direito de escolher de quem quer ser vice”, disse. À risca O pedido de Lessa para que o presidente da ALE permaneça no PSB repercutiu no salão de despachos do Palácio. “Ele fica para que nós possamos construir as bases para 2006”, disse ontem a secretária da Célula de Articulação Política, Fátima Borges, ao mesmo tempo negando haver “intrigas entre o governador e Celso”, como avaliou. Entretanto, Fátima Borges evitou comentar sobre o futuro político do presidente da ALE, se ele continuar na legenda. “Estamos trabalhando de forma que se corrija tudo o que está acontecendo. O governador vem conversando com o senador Renan Calheiros, com o senador Teotonio Vilela, com o próprio deputado Celso Luiz e com a Kátia Born”, enumerou a secretária, evitando colocar Celso como vice em uma chapa com Renan, mas já lançando Kátia Born como candidata a deputada federal em 2006. “Os caminhos estão traçados. Junho ou julho, acho que teremos um quadro praticamente definido”, explicou. Na quinta-feira, na Rádio GAZETA, Kátia assumiu que é pré-candidata ao governo do Estado e incluiu na lista dos concorrentes ao mesmo cargo o vice-governador e presidente estadual do PSB, Luis Abílio, e Celso Luiz. “Tudo está em harmonia”, considerou, embolando ainda mais o meio-de-campo na disputa ao governo em 2006. As declarações do governador e da secretária da Célula de Articulação Política foram dadas logo após a posse do presidente da Agência Alagoana de Habitação, Afrânio Vergetti, ontem, no final da tarde.

Mais matérias
desta edição