app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Política

Renan Calheiros e Celso Luiz: entre a cruz e a espada

A operação que levou o governador Ronaldo Lessa ao PDT respingou no presidente da Assembléia Legislativa Estadual, deputado Celso Luiz (PSB). Na última semana, Celso reconheceu que vai pensar em sair do PSB a partir do meio do ano, deixando membros do

Por | Edição do dia 06/02/2005 - Matéria atualizada em 06/02/2005 às 00h00

A operação que levou o governador Ronaldo Lessa ao PDT respingou no presidente da Assembléia Legislativa Estadual, deputado Celso Luiz (PSB). Na última semana, Celso reconheceu que vai pensar em sair do PSB a partir do meio do ano, deixando membros do partido preocupados com os novos rumos do líder político do Sertão, braço direito de Lessa na eleição de 2002. Celso é responsável pela costura política em mais de 60 municípios onde os prefeitos, mesmo engasgados com o governador, votariam nele para o Senado graças a Celso Luiz. Considerado uma das lideranças mais expressivas do PSB, o presidente da Assembléia tem sido o fiel da balança nas crises desencadeadas por pessebistas, e não esconde seu sonho de sentar na cadeira do Palácio. Agora, com a saída de Lessa, o PSB começa a perder espaço em Alagoas, limitando sua liderança a três figuras: Celso Luiz, o vice-governador Luis Abílio e a secretária de Saúde e ex-prefeita de Maceió, Kátia Born. Kátia Born se lançou candidata a governadora, mas o PSB quer que ela seja candidata a deputada federal. O motivo seria a negativa de Celso em querer ser vice da ex-prefeita em 2006. Outro que pode ter seu destino político selado é o vice-governador, cotado para assumir uma vaga no Tribunal de Contas de Alagoas (TC). A vaga, neste caso, seria criada pela aposentadoria de um membro do tribunal, evitando que Abílio possa concorrer ao governo do Estado. Com a arrumação, sobra Celso Luiz, que abre mão da cabeça de chapa para ser o vice numa eventual candidatura do senador Renan Calheiros (PMDB) ao governo – que pode não haver com a eleição de Renan para presidente do Senado. Além disso, o problema é que, pelo menos por enquanto, nos corredores do Palácio, estaria sendo descartada a idéia de Celso como vice do peemedebista. Isso porque dois partidos aliados querem a vaga de vice em 2006 com Renan: o PT e o PSDB, o último sem definição sobre sua situação perante Lessa, depois de praticamente ser expulso do governo estadual. Com a virtual eleição de Renan à presidência do Senado, Lessa pode ser obrigado a “engolir” o senador tucano Teotonio Vilela Filho, apoiado por Renan, e terá de enfrentar um dilema: rachar com Renan e seguir Celso ou esquecer Celso, que acabaria migrando para um partido pequeno, levando um bloco de aliados do governo Lessa. Ninguém, pelo menos por enquanto, arrisca uma resposta. (OR)

Mais matérias
desta edição