app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Política

Transfer�ncia de Cavalcante pode sair hoje

O secretário de Defesa Social, Rovervaldo Davino, deverá entrar em contato hoje com a direção-geral da Polícia Federal, em Brasília, para dar cumprimento à ordem judicial de transferência do ex-tenente-coronel PM Manoel Francisco Cavalcante para o presídi

Por | Edição do dia 10/02/2005 - Matéria atualizada em 10/02/2005 às 00h00

O secretário de Defesa Social, Rovervaldo Davino, deverá entrar em contato hoje com a direção-geral da Polícia Federal, em Brasília, para dar cumprimento à ordem judicial de transferência do ex-tenente-coronel PM Manoel Francisco Cavalcante para o presídio de segurança máxima de Presidente Bernardes, no interior de São Paulo. O ex-oficial está preso provisoriamente na sede da PF da Bahia, em Salvador, desde o dia 25 de janeiro e poderá ser transferido a qualquer momento para o presídio paulista. A intenção da polícia alagoana é conseguir que os próprios policiais federais baianos façam a remoção dele de Salvador até São Paulo, já que o avião utilizado nesse tipo de operação é sempre disponibilizado pelo Ministério da Justiça. Davino recebeu a ordem de transferência no final da tarde da sexta-feira passada, mas a execução imediata foi impossibilitada pelo feriadão do carnaval, já que ele não conseguiu contato com a PF de Brasília. O ofício determinando a remoção foi expedido pelo juiz da Vara de Execuções Penais de Maceió, Jamil Amil de Hollanda Ferreira, responsável pelo processo de transferência do ex-oficial. Na mesma sexta-feira, Jamil Amil recebeu sinal verde para a remoção, dado pelo juiz corregedor de presídios do Departamento Técnico de Apoio ao Serviço de Execuções Criminais (Decrim-7) de São Paulo, Miguel Marques e Silva. A decisão dele foi encaminhada, por fax, ao juiz Jamil Amil, que em seguida remeteu ofício ao secretário Robervaldo Davino, determinando que ele tomasse as providências para que a transferência fosse realizada. Cavalcante foi condenado em três processos a 27 anos de detenção por porte ilegal de armas e receptação de veículos. Ele ainda responde a outras oito ações, sendo que em uma delas foi condenado a 19 anos pela morte do tributarista Sílvio Vianna. A transferência foi solicitada pelo Tribunal de Justiça, que apurou que Cavalcante continuava comandando o crime organizado do Presídio Baldomero Cavalcanti e que ele teria um plano para matar dois juízes em Alagoas. (LB)

Mais matérias
desta edição