app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5756
Política

‘REGISTRO PARA TODOS’ RETIRA PESSOAS DA INVISIBILIDADE EM AL

Depois de 20 anos sem certidão de nascimento, Diego dos Santos Barbosa conseguiu emitir o primeiro documento da vida dele, durante a campanha “Registro Para Todos”, realizada em Penedo, nos dias 10 e 11 de outubro. Criado no povoado Terra Nova, no municíp

Por Jobison Barros | Edição do dia 13/10/2023 - Matéria atualizada em 13/10/2023 às 04h00

Depois de 20 anos sem certidão de nascimento, Diego dos Santos Barbosa conseguiu emitir o primeiro documento da vida dele, durante a campanha “Registro Para Todos”, realizada em Penedo, nos dias 10 e 11 de outubro. Criado no povoado Terra Nova, no município de São Sebastião, o jovem falou das dificuldades enfrentadas durante todo esse tempo sem registro.

“Eu não tinha nenhum documento, nem mesmo o RG. Agora minha vida mudou e muito, pois a pessoa sem documento não é nada, é um indigente. Vim a Penedo só para tirar essa documentação. Desde muito tempo, minha mãe tinha o desejo de fazer minha documentação, mas nós só viemos tirar agora. O atendimento foi excelente, fomos muito bem tratados e, graças a Deus, deu tudo certo”, disse.

Quem faz parte da história de Diego é a senhora Maria Tereza da Conceição, uma agricultora de 95 anos que o criou desde que ele tinha 15 dias de vida. Dona Maria Tereza disse que tentou de todas as formas emitir a certidão de nascimento do filho, mas o caso era sempre tratado com muita complexidade, em razão de o filho não ter qualquer documentação que o identificasse. Somado a isso, as dificuldades financeiras da família também limitavam qualquer possibilidade de obter o registro.

“Ele mora comigo desde que nasceu. A mãe de Diego abandonou ele e eu nem sabia quem era ela. Depois é que o nome dela foi descoberto pelas redes sociais. Tirei ele de dentro de uma rede e criei ele [...] Tudo dele era resolvido com meu dinheiro e meus documentos. Ele só tinha o cartão do SUS, mas essa era a única documentação dele e, em todo esse tempo, nunca consegui fazer nenhuma certidão”, comentou.

Garantido pela Constituição Federal de 1988, o registro civil de nascimento possibilita o exercício da cidadania, pois proporciona o acesso a direitos básicos, como saúde e educação, além de garantir segurança jurídica aos cidadãos e às cidadãs do Brasil.

REGISTRO TARDIO

Fazia três anos que a dona de casa Elúzia Santos de Oliveira vinha batalhando para registrar a filha, mas não conseguia uma solução para o caso. Ao saber da possibilidade de registrar a criança sem o nome do pai, ela se dirigiu à campanha “Registro Para Todos”, em Penedo, e conseguiu agilizar o procedimento.

“Esperei esse tempo todo, mas, infelizmente, o pai não quer registrar a filha. Apesar de tudo isso, me sinto feliz porque vou sair daqui com o registro da minha filha em mãos”, explicou.

De acordo com o juiz Anderson Passos, auxiliar da Corregedoria-Geral da Justiça (CGJAL), os direitos da criança devem prevalecer.

“Em casos como o presente, a legislação determina que o Poder Judiciário proceda à realização de averiguação administrativa de paternidade. Assim, nessa situação, o cartório informa ao magistrado para que ele, através da estrutura do Judiciário, possa buscar o reconhecimento voluntário do pai em face da criança, como suposto filho. Em caso de não ocorrer o reconhecimento voluntário, tanto o Ministério Público quanto a Defensoria Pública podem ingressar com ação de investigação de paternidade”,.

Mais matérias
desta edição