app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5751
Política

ESTRANGEIROS COMEÇAM A DEIXAR GAZA PELA FRONTEIRA EGÍPCIA

Ao menos 320 pessoas de várias nacionalidades saíram por Rafah após acordo entre Israel, Egito e Catar

Por Folhapress | Edição do dia 02/11/2023 - Matéria atualizada em 02/11/2023 às 04h00

O primeiro grupo de estrangeiros moradores da Faixa de Gaza começou a deixar o território sob ataque de Israel ontem para o Egito, após um acordo mediado pelo Catar entre os governos de Tel Aviv e do Cairo.

“Ainda não há brasileiros na lista divulgada hoje”, disse o embaixador brasileiro na Cisjordânia, Alessandro Candeas. “Acredito que em breve novas listas serão publicadas, e espero que nossos brasileiros estejam nelas”, disse, afirmando que isso poderá acontecer até a sexta (3).

A primeira leva, segundo o Itamaraty, terá cidadãos da Austrália, Áustria, Bulgária, Finlândia, Indonésia, Jordânia, Japão e República Tcheca, além de pessoal da Cruz Vermelha e de ONGs. Eles começaram a sair por Rafah, posto na fronteira sul com o Egito, por onde passa ajuda humanitária limitada.

Ao menos 320 pessoas deixaram o território, segundo a agência de notícias Reuters, que coloca em 7.500 os possíveis evacuados.

O arranjo se soma ao anúncio feito na véspera pelo Hamas de que 81 feridos graves em ataques israelenses poderiam deixar a área. Segundo o governo egípcio, os 76 primeiros pacientes já deixaram Gaza. Cerca de 40 ambulâncias estão na região fronteiriça, um hospital de campanha para casos urgentes foi montado e unidades médicas nas cidades de Sheikh Zuweid e Al Arish, mais distantes, foram mobilizadas.

Gaza está sendo atacada fortemente desde que o Hamas, grupo palestino que administra a região desde 2007, promoveu a mega-ação terrorista contra Israel no dia 7 passado. Desde que isso aconteceu, centenas de estrangeiros moradores do território com 2,3 milhões de habitantes tentam sair pelo posto de Rafah, sem sucesso. Eles se concentram na cidade e em locais como Khan Yunis, a 10 km dali, assim como palestinos.

Entre eles estão as 34 pessoas que o Itamaraty registrou para repatriação, um contingente que tem variado ao longo das semanas. Segundo o mais recente balanço de Candeas, 24 delas são brasileiras, 7 palestinas em processo de imigração e 3, parentes próximos deste último grupo.

Estão em duas casas alugadas pela embaixada em Rafah 18 pessoas (9 crianças, 5 mulheres e 4 homens), enquanto quatro apartamentos de famílias em Khan Yunis abrigam 16 (9 crianças, 5 mulheres e 2 homens). Parte do grupo, 19 pessoas, estava reunido em uma escola católica de Gaza antes de ser transferido para o sul do território.

Por ora, segundo Candeas, todos ficarão onde estão. Um ônibus está de sobreaviso para levar o grupo de Khan Yunis a Rafah assim que houver autorização de saída.

Em vídeo gravado por celular divulgado na terça, a estudante brasileira Shahed al-Banna, 18, afirmou que as dificuldades para comprar água e comida estavam crescendo dia após dia. O carregamento de celulares é feito por meio de baterias improvisadas alimentadas por painéis solares, e lenha vem sendo usada para cozinhar itens mais simples.

Até aqui, o Brasil já repatriou 1.413 pessoas que estavam em Israel, incluindo três cidadãos bolivianos. A operação mobilizou oito voos da Força Aérea e encerrou sua fase inicial na semana passada. Nesta quarta, outros 33 brasileiros que estavam na Cisjordânia decolaram de Amã, na Jordânia, para também retornar ao Brasil —a chegada do voo está prevista para a madrugada desta quinta (2).

Também nesta quarta, a comunicação com Gaza voltou a ficar precária, com cortes na internet devido a ataques israelenses, segundo a Paltel, empresa de telefonia local. De acordo com a organização Netblocks, que monitora a internet ao redor do mundo, o corte representa “uma perda total de telecomunicações para a maioria dos moradores”.

O Brasil tem conversado com o Qatar, que lidera esforços de negociação por ser um país que abriga líderes do Hamas no exílio e sofreu críticas por isso, e outros países que buscam tirar seus moradores.

Um dos principais interessados é o governo dos EUA, que tem de 500 a 600 cidadãos em Gaza, e foi consultor na negociação entre Egito e Israel. Segundo Candeas, o Hamas não fez parte do acerto. O presidente Joe Biden postou no X (ex-Twitter) que esperava ver americanos saindo ainda nesta quarta —houve registro de ao menos um, integrante de uma ONG contudo, assim como britânicos.

A primeira leva autorizada a sair é o primeiro sinal de esperança para os brasileiros, embora o fato de eles não terem sido incluídos gerou protesto de um dos integrantes do grupo, Hasan Rabee, que gravou vídeo se queixando do governo federal. Na terça, o embaixador havia dito que a situação era de uma “inércia angustiante”.

Em Brasília, membros do governo avaliam que a situação é difícil, pois não há certeza de que Egito e Israel irão priorizar o caso brasileiro. Questionados acerca da especulação de que Tel Aviv pudesse ter retaliado contra a condução brasileira das discussões sobre as resoluções tratando da guerra no outubro em que o país presidiu o Conselho de Segurança da ONU, afirmaram não ter indicação concreta disso.

Os ataques seguem intensos em Gaza. Na terça, Israel confirmou ter matado cerca de 50 pessoas no campo de refugiados de Jabalia, no norte da faixa, em um dos maiores ataques individuais da guerra até aqui.

O campo tem esse nome pela origem histórica, mas é um bairro urbanizado bastante miserável. A imagem de uma enorme cratera, presumivelmente causada por um ataque aéreo israelense, viralizou na terça. Tel Aviv afirma que os mortos eram do Comando Central de Jabalia, uma célula do Hamas que defende a região norte do território.

Mais matérias
desta edição