app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Política

ALE RECONHECE MARAVILHA COMO CAPITAL ALAGOANA DA PALEONTOLOGIA

No município foram encontrados fósseis de animais pré-históricos que viveram há mais de 10 mil anos

Por DA REDAÇÃO COM ASSESSORIA | Edição do dia 24/11/2023 - Matéria atualizada em 24/11/2023 às 04h00

A cidade de Maravilha, localizada no alto Sertão alagoano, foi reconhecida como a Capital Alagoana da Paleontologia, graças à aprovação de um projeto de lei na sessão de ontem Assembleia Legislativa do Estado.

O sítio paleontológico Ovo da Ema, localizado no município, é um dos mais importantes do Brasil. Nele, foram encontrados fósseis de animais pré-históricos que viveram há mais de 10 mil anos.

Dentre os fósseis encontrados no sítio, destacam-se os de preguiças-gigantes, com quase seis metros de altura, tigres-dentes-de-sabre, toxodontes e mastodontes.

O reconhecimento de Maravilha como Capital Alagoana da Paleontologia é um importante incentivo para o desenvolvimento do turismo paleontológico no município e no estado.

A cidade já conta com o Museu Paleontológico Otaviano Florentino Ritir, que abriga os fósseis encontrados no sítio Ovo da Ema. O museu é um importante centro de pesquisa e educação paleontológica. Com o reconhecimento como Capital Alagoana da Paleontologia, Maravilha tem a oportunidade de se tornar um importante destino turístico para os amantes da paleontologia.

A aprovação por unanimidade do projeto de lei – de autoria do deputado Antônio Albuquerque – também é um importante reconhecimento do trabalho do paleontólogo Jorge Luiz Lopes, que foi o responsável pela descoberta do sítio paleontológico Ovo da Ema.

O trabalho de Lopes é fundamental para o conhecimento da história paleontológica de Alagoas e do Brasil.

A aprovação do projeto de lei é uma conquista importante para Maravilha e para Alagoas. O reconhecimento como Capital Alagoana da Paleontologia abre novas oportunidades para o município, que tem um grande potencial para o desenvolvimento do turismo paleontológico.

Mais matérias
desta edição