app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5656
Política

MINA TEM LEVE AUMENTO NO REBAIXAMENTODO SOLO EM 24H, DIZ DEFESA CIVIL

Deslocamento vertical registrado foi de 6,8cm; região já afundou 1,95 metro desde 28 de outubro

Por Mariane Rodrigues | Edição do dia 07/12/2023 - Matéria atualizada em 07/12/2023 às 04h00

Em boletim divulgado no final da tarde de ontem, a Defesa Civil de Maceió aponta que houve um pequeno aumento do deslocamento do solo na área da mina 18 da Braskem, no bairro do Mutange. Os dados divulgados pela manhã apontaram um afundamento de 4,9 centímetros em 24 horas. Já no número mais atualizado, a cavidade cedeu 6,7 centímetros no mesmo espaço de tempo.

Desde o dia 28 de outubro, a região já afundou 1,95 metro. Atualmente, o deslocamento vertical ocorre numa velocidade de 0,28 cm por hora. Na fase mais crítica, na semana passada, chegou a 7cm por hora.

Diante desse cenário, na última terça-feira, a Defesa Civil de Maceió reduziu de “alerta máximo” para “alerta” o risco de colapso na mina. Entretanto, as regras de segurança continuam as mesmas.

“Por precaução, a recomendação é clara: a população não deve transitar na área desocupada até uma nova atualização da Defesa Civil, enquanto medidas de controle e monitoramento são aplicadas para reduzir o perigo”, declarou o órgão.

Por causa disso, o trecho em um raio de 1 km na lagoa Mundaú próximo ao Mutange continua interditado para navegação. Segundo a Superintendência Federal de Pesca e Aquicultura de Alagoas, não há prazo para o fim da proibição.

“Está interditado desde a última quinta-feira (29) e só terá alguma mudança quando for seguro”, afirmou o superintendente Caue Castro.

FECHAMENTO

Das 35 minas de sal-gema da Braskem instaladas em Maceió, 11 ainda não tiveram o processo de fechamento finalizado. A de número 18 — sob risco de colapso — é uma delas.

A empresa diz que segue o cronograma pré-estabelecido. O prazo inicial era 2023, mas, por causa da recente movimentação do solo, foi adiado para 2025.

O plano de fechamento total dos poços foi apresentado pela mineradora às autoridades e aprovado pela ANM (Agência Nacional de Mineração) em 2019.

Segundo a empresa, 70% do planejamento foi cumprido até agora.

O processo usado em cada uma das cavidades é determinado após estudo de sonar feito pela empresa e avaliado junto à ANM.

As atividades para fechamento da mina 18 foram suspensas após registros de movimentações do solo.

O fechamento ainda não foi finalizado nos poços de número 9, 12, 16, 18, 22, 23, 25, 26, 27, 28 e 33, de acordo com a empresa.

Mais matérias
desta edição