app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5718
Política

MPF quer ouvir FHC em processo sobre propina

Brasília – Os procuradores da República Luiz Francisco de Souza e Alexandre Camanho requisitaram ontem à Polícia Federal que seja aberto inquérito para apurar se houve mesmo o pagamento da propina de R$ 15 milhões após o processo de privatização da Comp

Por | Edição do dia 14/05/2002 - Matéria atualizada em 14/05/2002 às 00h00

Brasília – Os procuradores da República Luiz Francisco de Souza e Alexandre Camanho requisitaram ontem à Polícia Federal que seja aberto inquérito para apurar se houve mesmo o pagamento da propina de R$ 15 milhões após o processo de privatização da Companhia Vale do Rio Doce. O dinheiro teria sido cobrado pelo economista e ex-diretor do Banco do Brasil, Ricardo Sérgio de Oliveira, responsável pela associação dos fundos de pensão ao Consórcio Brasil, que venceu a privatização. Os procuradores querem que o presidente Fernando Henrique Cardoso seja ouvido no processo como testemunha. O presidente tem regalia para marcar data, local e horário para prestar depoimento. Se não aceitar depor como testemunha, Fernando Henrique poderá sofrer o desgaste por se omitir a dizer o que sabe sobre o caso. O Ministério Público Federal solicita ainda à PF que no inquérito também sejam ouvidos todos os supostos envolvidos no caso e que teriam conhecimento da cobrança de propina: o próprio Ricardo Sérgio, o empresário Benjamin Steinbruch, o ministro Paulo Renato Souza (Educação) e o ex-ministro Luiz Carlos Mendonça de Barros. O procurador Luiz Francisco Souza também estuda a possibilidade de ajuizar ação de improbidade administrativa contra o presidente, já que existe a denúncia de que Fernando Henrique foi informado sobre o pedido de propina e não tomou as providências cabíveis para investigar. Estratégia tucana O comando da campanha do senador José Serra (PSDB-SP) decidiu que ele não tomará nenhuma atitude, tal como convocar uma entrevista coletiva ou fazer um pronunciamento no Senado, que poderia contribuir para superdimensionar as denúncias que estão sendo feitas para tentar atingir sua candidatura. A orientação traçada prevê que Serra dará as respostas e esclarecimentos pontuais sobre cada um dos fatos quando for perguntado.

Mais matérias
desta edição