app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5730
Política

CEF eleva proposta financeira ao Estado

| PLÍNIO LINS Editor de Política Representantes do governo do Estado e da direção nacional da Caixa Econômica Federal (CEF) prosseguiam, até ontem à noite, em negociações que podem resultar na permanência, no banco oficial, da conta-salário e da conta d

Por | Edição do dia 27/12/2005 - Matéria atualizada em 27/12/2005 às 00h00

| PLÍNIO LINS Editor de Política Representantes do governo do Estado e da direção nacional da Caixa Econômica Federal (CEF) prosseguiam, até ontem à noite, em negociações que podem resultar na permanência, no banco oficial, da conta-salário e da conta de pagamento aos fornecedores do Estado. Na última sexta-feira, a Caixa reformulou sua proposta, em bases que o Estado considerou mais interessantes. Para manter sob seu controle as cerca de 60 mil contas de funcionários ativos e ativos e a conta-fornecedor, o banco estatal elevou consideravelmente sua oferta inicial. Acena com um valor maior a título de pagamento à vista e com a liberação, pelo Tesouro Nacional, de pelo menos R$ 21 milhões em créditos a favor do Estado, oriundos do Fundo de Compensação das Variações Salariais. Esses títulos, referentes a contratos habitacionais antigos do extinto Produban e do Ipaseal, estão retidos pelo Tesouro, como uma espécie de caução de parcela da dívida do Estado com a União. Pela nova proposta da Caixa, esses papéis serão transformados em dinheiro e entram no caixa do Estado. Além disso, a Caixa mantém a proposta – muito atraente para o governo estadual – de financiar a construção, em um ano, de 9 mil casas populares em Maceió e no interior. Negociadores do governo confirmam que a oferta da Caixa melhorou bastante, mas até ontem à noite o martelo ainda não havia sido batido. Do lado da Caixa informava-se o mesmo. O governo, se fechar negócio com o banco estatal, terá que enfrentar algum desgaste com o Banco Itaú, que venceu a licitação realizada no dia 19, ao apresentar a maior oferta para ficar com as contas do Estado: R$ 68,1 milhões, à vista, além do compromisso de abrir nove agências na capital e no interior.

Mais matérias
desta edição