app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Política

Beira-Mar ainda fica uma semana em AL

| PETRÔNIO VIANA Repórter O traficante Fernandinho Beira-Mar, detido desde o dia 26 de novembro na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Alagoas, no bairro de Jaraguá, ficará pelo menos mais uma semana no Estado. Na compreensão dos juízes federa

Por | Edição do dia 03/01/2006 - Matéria atualizada em 03/01/2006 às 00h00

| PETRÔNIO VIANA Repórter O traficante Fernandinho Beira-Mar, detido desde o dia 26 de novembro na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Alagoas, no bairro de Jaraguá, ficará pelo menos mais uma semana no Estado. Na compreensão dos juízes federais Raimundo Campos e Rubens Canuto, não há necessidade de decidir pela transferência de Beira-Mar durante o recesso do Judiciário. Dessa forma, o processo que pede a retirada de Beira-Mar do Estado vai ficar parado até a próxima segunda-feira, quando a Justiça retoma suas atividades. Esta é a segunda vez que Beira-Mar é “hospedado” em Alagoas – a primeira foi em abril de 2003 – e sua permanência tem sido motivo de preocupação para o governo estadual. Na semana passada, a Procuradoria Geral do Estado (PGE), que pede a transferência de Beira-Mar, encaminhou uma petição à Justiça Federal, remetida à Procuradoria Geral da República, determinando uma análise das condições da sede da PF pelo superintendente substituto da PF em Alagoas, delegado Arivaldo Marques. A resposta de Arivaldo Marques foi entregue ao juiz federal Raimundo Campos na última sexta-feira. Em seu conteúdo, Marques explica que as condições da PF já estariam especificadas nos autos do processo e no ofício remetido ao juiz federal Sebastião Vasquez. O delegado informa também que o traficante não entra em contato com outros presos provisórios, a não ser durante os banhos de sol. Na próxima segunda-feira, o juiz Sebastião Vasquez deverá definir pela permanência ou pela transferência do traficante para outro Estado. A segurança na sede da PF tem sido reforçada pela Polícia Rodoviária Federal e pelo Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar.

Mais matérias
desta edição