app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5717
Política

Rejei��o paulista a Lula � �maior que m�dia nacional

São Paulo – A região metropolitana de São Paulo, cuja principal cidade é administrada pelo  PT, resiste mais a Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato do partido à Presidência, do que a média nacional. Os beneficiários são José Serra (PSDB) e Anthony Gar

Por | Edição do dia 17/05/2002 - Matéria atualizada em 17/05/2002 às 00h00

São Paulo – A região metropolitana de São Paulo, cuja principal cidade é administrada pelo  PT, resiste mais a Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato do partido à Presidência, do que a média nacional. Os beneficiários são José Serra (PSDB) e Anthony Garotinho (PSB). O petista lidera na região metropolitana com a preferência de 34% do eleitorado, nove pontos percentuais a menos do que tem na média de todo o País. O candidato tucano, José Serra, aparece em seguida com 22% das intenções de voto, cinco pontos a mais do que tem na média brasileira. Garotinho, ex-governador do Rio, com 19%, quatro pontos acima da média nacional. Ciro Gomes (PPS) oscila um ponto, obtendo 15% na região metropolitana, contra 14% no País. É o pior índice do petista nas regiões pesquisadas, possivelmente reflexo de sua rejeição na capital ser oito pontos maior do que na média nacional (27% no País e 35% na Grande São Paulo) e das dificuldades enfrentadas pela gestão de Marta Suplicy (PT) no município. Em pesquisa de março do Datafolha, 38% dos paulistanos classificaram sua administração como ruim/péssima, 25% como ótima/boa e 35% como regular. Proibição O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, filiado à Força Sindical, proibiu ontem o deputado federal Luiz Antônio de Medeiros (PL-SP) de fazer campanha eleitoral para o pré-candidato do PR à Presidência. Medeiros manifestou nesta semana seu apoio a Lula. Ele já foi presidente da Força Sindical e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Hoje ocupa a presidência da Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM), também da Força Sindical.

Mais matérias
desta edição