app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Política

J�lio Delgado prop�e ren�ncia coletiva

| ROSE ANE SILVEIRA Folha Online Brasília - O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) apresentou ontem uma proposta de renúncia coletiva para os integrantes do Conselho de Ética da Câmara. A renúncia seria um protesto às decisões do plenário da Câmara, que rej

Por | Edição do dia 10/03/2006 - Matéria atualizada em 10/03/2006 às 00h00

| ROSE ANE SILVEIRA Folha Online Brasília - O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) apresentou ontem uma proposta de renúncia coletiva para os integrantes do Conselho de Ética da Câmara. A renúncia seria um protesto às decisões do plenário da Câmara, que rejeitaram o pedido de cassação de mandato recomendado pelo Conselho de Ética contra os deputados Roberto Brant (PFL-MG) e Professor Luizinho (PT-SP). Delgado disse que a proposta de renúncia coletiva não foi apresentada formalmente. “Temos de pensar nisso sim. O trabalho do Conselho não tem sintonia com o plenário. Os deputados talvez devessem indicar pessoas mais consoantes com suas intenções”, disse. Ao defender sua proposta, o deputado Delgado afirmou que a renúncia não deveria acontecer imediatamente, mas seria uma ação para o futuro. “Claro que não seria para agora. Teríamos que primeiro encerrar todo o trabalho que já está em andamento. Temos de no mínimo refletir sobre o papel do Conselho e sobre a sua reestruturação.” A idéia de Delgado, entretanto, foi rejeitada imediatamente pelos integrantes do Conselho de Ética. O deputado Cezar Schirmer (PMDB-RS) pediu calma a Delgado. Para Schirmer, o Conselho está fazendo o seu papel. “Devemos deixar que o plenário assuma a responsabilidade pelos seus atos”, afirmou o deputado gaúcho. O deputado Chico Alencar (P-Sol-RJ) também descartou a proposta de renúncia coletiva. Apesar de se mostrar frustrado e indignado com o que ele classifica de “acordão de mútua ajuda”, entre os partidos que têm integrantes de sua bancada como alvo do Conselho de Ética, o deputado Chico Alencar afirmou que “a renúncia coletiva não traria nenhum bem. Seria um ato passional”. Mesmo irritado com os resultados do plenário o presidente do Conselho, deputado Ricardo Izar (PTB-SP), também rejeitou a possibilidade de renúncia e manteve sua decisão de levar todos os processos até o final. Para a próxima semana, Ricardo Izar confirmou a votação, na terça-feira, do parecer contra o deputado João Paulo Cunha (PT-SP). Ele marcou a leitura do parecer e voto do processo contra o deputado José Mentor (PT-SP) para a próxima quinta-feira.

Mais matérias
desta edição