app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Política

Obras do novo Pal�cio custam R$ 6 milh�es

ODILON RIOS Repórter O governador Ronaldo Lessa (PDT) e o vice Luis Abílio inauguraram ontem o Palácio República dos Palmares, que abrigará todas as unidades administrativas que antes funcionavam no Palácio Marechal Floriano Peixoto, que vai se tr

Por | Edição do dia 11/03/2006 - Matéria atualizada em 11/03/2006 às 00h00

ODILON RIOS Repórter O governador Ronaldo Lessa (PDT) e o vice Luis Abílio inauguraram ontem o Palácio República dos Palmares, que abrigará todas as unidades administrativas que antes funcionavam no Palácio Marechal Floriano Peixoto, que vai se transformar em museu, local para recepções e roteiro para o turismo. O projeto total é de R$ 6 milhões e engloba ainda a reforma da praça e recuperação de prédios históricos no entorno do palácio. A inauguração marcou também a primeira etapa do Centro Administrativo, que inclui a reforma do prédio da Fundação de Amparo à Pesquisa de Alagoas (Fapeal) e o antigo prédio do Produban. O palácio tem uma luxuosa fachada com vidros temperados, catracas eletrônicas para controle do acesso de pessoal e um heliporto na cobertura do prédio. Para erguer o novo palácio, o Estado teve que indenizar e comprar casas a preço abaixo de mercado. Muitas delas, pertencentes a herdeiros, se transformaram em prostíbulos ou estavam abandonadas. Ontem, parecia que Lessa não quis levar em conta o valor arquitetônico da região. “Queria derrubar tudo. Não deixaram. Podem ficar com raiva de mim”, disse Lessa. Miséria Apesar das promessas, o governador não citou qual será o destino da população miserável que se apinha ao longo da sede do Poder Executivo alagoano, onde está concentrado um dos maiores bolsões de miséria da capital, englobando Dique Estrada, moradores às margens da Lagoa Mundaú e as gerações de menores cheira-cola que continuam a dominar o cenário na Praça dos Martírios. Segundo o governador, a obra vai trazer economia para as secretarias - diminuindo o aluguel de prédios para secretarias da administração estadual - e vai colaborar ainda para o projeto de revitalização do Centro. Até o dia 15, Lessa disse que um dos prédios ocupados pelo extinto Banco do Estado (Produban), hoje em processo de liquidação, será entregue. “Todas as repartições públicas estarão no entorno do Palácio”. Comentários “É uma obra belíssima e digna do povo de Maceió, que contribuirá sobremaneira para revitalizar o centro comercial da capital dos alagoanos”, ressaltou o presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ), desembargador Estácio Gama. Para o procurador de Justiça Dilmar Camerino, a obra representa a volta dos tempos áureos de Maceió. “A obra trará de volta o prazer de passear na praça e nas ruas próximas pela beleza arquitetônica”, destacou. ### Salas terão nomes de heróis negros Segundo o coordenador do Centro Administrativo, Ricardo Vieira, o prédio foi construído com o objetivo de facilitar o processo administrativo, o acesso entre os secretários, reduzir custo e tempo, tanto do ponto de vista governamental quanto da população alagoana. “A obra conta com uma estrutura moderna, com vãos livres e sem alvenaria e salas com divisórias”, comentou o coordenador. O Palácio da República dos Palmares abrigará as secretarias Geral de Governo e de Gestão Colegiada, o Gabinete Civil, a Superintendência do Cerimonial, a sala de reunião dos Conselhos, o Salão de Despachos, um auditório, o gabinete do governador e uma sala de imprensa, que receberá o nome do jornalista Ari Cipolla. Cada setor recebeu denominações referentes a personalidades e mocambos da República dos Palmares, a exemplo do auditório-sala Aquatune; sala Cerca Real dos Macacos, onde se localizará a nova Sala dos Conselhos; salas Dandara e dos reis Ganga Zumba e Zumbi, herói e símbolo da luta pela liberdade dos negros. Após as honras militares, desenlace da fita e descerramento da placa inaugural, o governador visitou as dependências do Palácio República dos Palmares. “Desde o início da nossa gestão, temos nos preocupado em qualificar o serviço público e melhorar a assistência ao cidadão. Mas o projeto é mais amplo e prevê a reforma dos prédios que abrigam os órgãos estaduais para contribuir com a revitalização do centro de Maceió”, completou o governador. A nova estrutura física governamental, acrescentou Lessa, vai otimizar as decisões e proporcionar maior comodidade, criando um entrosamento maior entre os órgãos. Lessa lembrou que a modernização do centro comercial de Maceió começou com a reforma da Praça Marechal Floriano Peixoto e que o palácio será transformado em museu, aberto à visitação pública e reservado para recepções oficiais. “O Palácio dos Palmares, nome que nós escolhemos para o novo prédio, é mais uma homenagem do governo de Alagoas à luta e à história do Quilombo dos Palmares e, em conseqüência, ao bravo povo alagoano”, completou Lessa. A iniciativa, segundo Lessa, teve o aval das entidades representativas dos comerciantes, dos movimentos e da sociedade civil organizada. Com Agência Alagoas

Mais matérias
desta edição