app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Política

Lessa presta contas aos prefeitos alagoanos

| PETRÔNIO VIANA Repórter A 11 dias de seu afastamento definitivo do governo do Estado e com a pretensão de assumir uma vaga no Senado Federal nas eleições deste ano, o governador Ronaldo Lessa (PDT) esteve ontem na sede da Associação dos Municípios Ala

Por | Edição do dia 21/03/2006 - Matéria atualizada em 21/03/2006 às 00h00

| PETRÔNIO VIANA Repórter A 11 dias de seu afastamento definitivo do governo do Estado e com a pretensão de assumir uma vaga no Senado Federal nas eleições deste ano, o governador Ronaldo Lessa (PDT) esteve ontem na sede da Associação dos Municípios Alagoanos (AMA) para fazer uma “prestação de contas” de sua administração. Em clima de “romance” com os prefeitos do interior, Lessa esqueceu as divergências e as críticas recebidas pelos gestores municipais durante seus quase oito anos de governo e elogiou o trabalho dos prefeitos na implementação dos programas. O governador compareceu à AMA acompanhado da secretária estadual de Saúde, Kátia Born (PSB); da secretária de Articulação do governo, Fátima Borges, além de todos os secretários especializados das regionais Metropolitana, Norte, Centro, Agreste e Sertão. Diversos prefeitos estiveram no encontro, entre eles, o prefeito de Água Branca e vice-presidente da AMA, Reinaldo Falcão (PSB); Fernando Lou (PT), de Mata Grande; Jarbas Omena (PSDB), de Messias; Juliana Almeida (PMDB), de Mar Vermelho; Renan Filho (PMDB), de Murici; Marçal Prado (PSDB), de Pilar; Cícero Cavalcante (PSB), de São Luiz do Quitunde; Eurico Leão, o Caíca (PMDB), de Porto Calvo, e Deraldo Lima (PTB), de Santa Luzia do Norte. Os três últimos estão indiciados no inquérito da Operação Guabiru, da Polícia Federal, que investigou o desvio de recursos federais para compra de merenda escolar, no ano passado. Lessa fez questão de dizer que sua relação com as prefeituras municipais, durante seus dois governos, não era tão ruim. “Criou-se uma fama de que a minha relação com os prefeitos era muito ruim e não é verdade. Havia uma meia dúzia de prefeitos que não gostavam de mim e falavam em nome dos outros. Com a grande maioria, eu tive sempre uma boa relação”, explicou. Outro objetivo do encontro foi verificar, entre os prefeitos, a aceitação do nome da prefeita de Feliz Deserto e presidente da AMA, Rosiana Beltrão (PRP), para integrar, como vice, a chapa governista para o governo do Estado ao lado de Teotônio Vilela Filho (PSDB). Antes do encontro, o governador Ronaldo Lessa comentou que esteve reunido em sua casa, no último domingo, com os senadores Renan Calheiros (PMDB) e Teotônio Vilela, e com o vice-governador Luis Abílio de Sousa (PDT) para discutir a formação da chapa. Durante a reunião, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria chegado a telefonar para Calheiros, mas para tratar de questões nacionais. “Conversamos longamente. Na hora, o presidente Lula ligou também. O Renan vai marcar um encontro meu com ele. Ele [Lula] ligou mais pela questão do PMDB nacional, mas não está desligado disso”, revelou o governador. Sobre a possibilidade da prefeita Rosiana Beltrão integrar a chapa governista, Lessa disse apenas que “é um nome respeitável”. “É uma figura que todos nós gostamos. É um nome cotado. Mas é importante a posição do PMDB, do próprio governador e dos outros partidos”, lembrou. De acordo com Lessa, a chapa ainda não está fechada, mas os nomes serão definidos no próximo fim de semana. “Vamos esperar quinta-feira a decisão da verticalização. Aí, o Renan volta a Alagoas, faremos uma reunião no fim de semana e, na segunda-feira, a gente anuncia quem vai ser o candidato”, informou Lessa. O governador disse que, entre os nomes que estão sendo lembrados para compor a chapa, estão, além de Rosiana, o do médico José Wanderley (PMDB), candidato a prefeito de Maceió nas eleições de 2004; de Célia Rocha (PSDB), ex-prefeita de Arapiraca; Olavo Calheiros (PMDB), deputado federal e irmão de Renan, e Albérico Cordeiro (PTB), prefeito de Palmeira dos Índios. Os critérios, segundo Lessa, são a amplitude eleitoral, de aproximação com o governador, e, principalmente, “que seja um político experiente, que possa consolidar a unidade desse bloco”. ### Lessa não descarta apoio do PFL e Nonô Antes da prestação de contas que foi fazer na Associação dos Municípios Alagoanos (AMA), o governador Ronaldo Lessa comentou a possibilidade de que uma aliança nacional entre o PSDB e o PFL do deputado federal José Thomaz Nonô force uma trégua entre o governador e o deputado. Lessa disse que aceitaria subir no palanque com o Nonô (PFL) “Pode acontecer. Se tiver o caráter nacional em que haja uma coligação, o que se vai fazer? Vamos ter que estar aqui juntos. Uma briga localizada, as pessoas terem que se aturar. Olha mais as qualidades e esquece os defeitos quando as pessoas não estão acostumadas a estarem juntas. Eu não tenho dificuldade com ninguém. A dificuldade tem sido sempre mais do Nonô comigo do que eu com ele”, observou. Nonô já declarou que “não estará onde Lessa estiver”. Para Lessa, a resistência do PT, aliado do grupo governista, em defender a candidatura tucana no Estado pode ser contornada, mas o partido “deixa o governo se quiser”. “Eu posso conviver com o PT e com o PSDB. Eu convido o PSDB e estou convidando o PMDB para o governo. Não há motivo para o PT sair. As divergências nacionais não podem ser instrumento de separação da gente aqui. Mesmo que o PT não apóie diretamente nosso candidato, não precisa sair do governo”, ponderou. Afastamento de Celso O governador avaliou ainda o afastamento do presidente da Assembléia Legislativa do Estado (ALE), deputado Celso Luiz (PMN), que firmou aliança e deverá compor a chapa com o deputado federal João Lyra (PTB), pré-candidato ao governo. “O Celso se afastou da gente no processo da escolha do candidato ao governo porque quis. Eu cheguei a dizer que ele seria meu candidato ao governo. Nunca foi pensado que a gente pudesse não estar no mesmo campo. Mas tem tempo para tudo, a convenção é em junho. Quem sabe o que vai acontecer daqui para lá?”, disse. Secretários O governador Ronaldo Lessa informou que a posse dos novos secretários de Estado, que assumirão as pastas dos atuais secretários que precisam se decompatibilizar dos cargos para disputar as eleições de outubro deste ano, serão realizadas no próximo dia 28. O governador não quis adiantar quais seriam as principais alterações, mas revelou que hoje o vice-prefeito de Delmiro Gouveia, José Ferreira, o Cazuza, assume a secretaria especializada do Sertão. “Na terça, 28, vai ser a posse coletiva de todos os novos secretários. No dia 30, só quem sai sou eu”, disse. Tempo curto A prefeita de Feliz Deserto e presidente da AMA, Rosiana Beltrão (PRP), esteve reunida durante o fim de semana com Ronaldo Lessa e com os senadores Renan Calheiros e Téo para discutir sua possível participação na chapa governista para a disputa majoritária em Alagoas. A conversa, de acordo com Rosiana, não teve resultados concretos. “Estamos conversando. Eu acho que, para se chegar a um denominador comum, ainda tem muita coisa para conversar. Tem pouco tempo, mas ainda tem muita coisa. Estamos articulando com os prefeitos que, no meu caso, é importantíssima essa base. Daqui para o dia 31 é que a gente vai ter uma clareza maior dos fatos. Se chegar na minha mão, eu não sou mulher de correr de nenhuma parada. Meu prazo é até o dia 31, que eu tenho que deixar o cargo”, avaliou. Rosiana Beltrão tem a seu favor o fato de que seu partido atual, o PRP, não lançará candidato à Presidência da República nem apoiará outros candidatos, o que permite independência da prefeita com relação à verticalização das alianças partidárias. |PV

Mais matérias
desta edição