app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Política

PT vai rotular Alckmin de conservador

| CARMEM MUNARI Agência Reuters São Paulo - O PT já tem prontas as principais linhas de ataque ao governador Geraldo Alckmin, candidato do PSDB à Presidência da República na disputa com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de acordo com um dirigente

Por | Edição do dia 26/03/2006 - Matéria atualizada em 26/03/2006 às 00h00

| CARMEM MUNARI Agência Reuters São Paulo - O PT já tem prontas as principais linhas de ataque ao governador Geraldo Alckmin, candidato do PSDB à Presidência da República na disputa com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de acordo com um dirigente petista, que pediu para não ser identificado. As duas principais orientações já vêm sendo postas em prática pelo partido. Trata-se de vincular o candidato com as elites e de tachá-lo conservador. Sem mencioná-la, o presidente do partido, deputado Ricardo Berzoini, deixou claro a estratégia no sábado após reunião do diretório nacional do partido que discutiu os alvos. Ele afirmou que “o discurso do governador de São Paulo é extremamente conservador” e que a escolha do candidato foi “bem típica do PSDB, ou seja, feita por uma cúpula reduzida”. A legenda também fará um esforço para vincular Alckmin aos oito anos de governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, estratégia que seria mais fácil de ser posta em prática se o PSDB tivesse se decidido pelo prefeito José Serra, ex-ministro do Planejamento e da Saúde nos governos Fernando Henrique Cardoso. Mas mesmo antes da definição do nome do tucano, o PT já havia decidido que as comparações entre os dois governos seria um dos principais focos da campanha do presidente Lula à reeleição. As políticas sociais e o desempenho da economia serão o centro das comparações. Em outra frente, a performance de Alckmin no governo de São Paulo também será um foco a ser explorado. Segundo a fonte, as privatizações no Estado, as demissões de mais de 100 mil pessoas, segundo o PT, e a obstrução de cerca de 40 Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) serão exploradas.

Mais matérias
desta edição