app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Política

Pol�cia diz que sargento preso � “arquivo vivo” da pistolagem

A direção da Polícia Civil de Pernambuco vai pedir autorização do Núcleo de Combate ao Crime Organizado (NCCO) para ouvir o depoimento do sargento Raimundo Medeiros, acusado de envolvimento em mais de 30 homicídios em Alagoas e Pernambuco, receptação, ass

Por | Edição do dia 13/04/2006 - Matéria atualizada em 13/04/2006 às 00h00

A direção da Polícia Civil de Pernambuco vai pedir autorização do Núcleo de Combate ao Crime Organizado (NCCO) para ouvir o depoimento do sargento Raimundo Medeiros, acusado de envolvimento em mais de 30 homicídios em Alagoas e Pernambuco, receptação, assaltos e formação de quadrilha. Ontem, a direção de Polícia Civil de Pernambuco informou aos juízes do NCCO, responsáveis pela decretação da prisão do sargento Medeiros, que ele estava foragido havia dois meses, e que também uma investigação realizada pela polícia pernambucana apura o envolvimento do militar em crimes de pistolagem naquele Estado. Entre os crimes está o assassinato do promotor dos municípios de Panelas e Lagoa dos Gatos, na região do Agreste de Pernambuco, Rossini Alves Couto, executado com vários tiros, em maio do ano passado, no município de Cupira, por dois pistoleiros. Uma equipe da Polícia Civil de Pernambuco deve chegar na próxima semana a Alagoas para ouvir o sargento Raimundo Medeiros e “trocar” informações com os juízes do NCCO. ### Juiz do NCCO assume lugar de Aciolly O presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas, desembargador Estácio Gama, designou o juiz do Núcleo de Combate ao Crime Organizado (NCCO), Maurício Breda, como substituto do juiz da 7ª Vara Criminal, Daniel Aciolly, afastados das suas funções por determinação do pleno do Tribunal de Justiça. O juiz Daniel Aciolly foi afastado até a conclusão do processo que apura o seu possível envolvimento numa transferência de preso supostamente ilegal, no interior de Alagoas, e que teria saído de um presídio de Brasília para o Estado. O caso é de 1996. O juiz se diz vítima de perseguição. A escolha do juiz Maurício Breda pelo presidente do TJ, Estácio Gama, teve como objetivo reforçar o apoio aos seis juízes do NCCO que vêm enfrentando uma forte resistência de alguns setores do Tribunal de Justiça de Alagoas. GF ///

Mais matérias
desta edição