app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Política

Escolha de vice vira uma sopa de letras

| PETRÔNIO VIANA Repórter Na sopa de letras que se transformou as candidaturas majoritárias em Alagoas, após a manutenção da verticalização, políticos de todas as siglas estão fazendo de tudo para emplacar seus preferidos na cabeça da chapa. No PFL de T

Por | Edição do dia 16/04/2006 - Matéria atualizada em 16/04/2006 às 00h00

| PETRÔNIO VIANA Repórter Na sopa de letras que se transformou as candidaturas majoritárias em Alagoas, após a manutenção da verticalização, políticos de todas as siglas estão fazendo de tudo para emplacar seus preferidos na cabeça da chapa. No PFL de Thomaz Nonô, por exemplo, que fechou sua candidatura ao Senado com o grupo do deputado federal João Lyra (PTB), os “dissidentes” já começam a despontar. O senador Teotonio Vilela Filho (PSDB), pré-candidato ao governo do Estado pelo grupo político do ex-governador Ronaldo Lessa (PDT) e do presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB), confirmou à Gazeta que teve um encontro, na semana passada, com o deputado estadual Antônio Albuquerque (PFL), correligionário de Nonô, com a presença do governador Luis Abílio (PDT). Também na semana passada, um dia depois do encontro entre Vilela e Albuquerque, Nonô anunciou que havia firmado compromisso com Lyra para ser o candidato do grupo ao Senado Federal. “A chapa majoritária está fechada com João Lyra para o governo, Celso Luiz [PMN, presidente da Assembléia Legislativa do Estado] para vice e eu para o Senado”, declarou Nonô. De acordo com Teotonio Vilela, que preferiu não entrar em detalhes, o encontro serviu para discutir diversos assuntos. “Conversamos muito sobre o Estado, sobre as eleições e outras coisas”, disse o senador. No mês passado, Albuquerque esteve em Brasília por duas vezes a convite de Renan Calheiros para conversar sobre o cenário político alagoano e uma possível aproximação entre o deputado e o grupo de Lessa. ### PSB é disputado por Téo e a esquerda O senador Teotonio Vilela Filho (PSDB) tem outro partido, que, segundo ele, lhe dará apoio garantido: o PSB, da ex-prefeita de Maceió Kátia Born. De acordo com Téo, as relações entre ele e Kátia têm sido “excelentes”. Logo depois do anúncio da indicação do senador para representar o bloco governista na disputa pelo governo do Estado, a ex-prefeita havia demonstrado alguma insatisfação. “Tomei café da manhã com a Kátia na semana passada e nossa relação está excelente. Não tenha dúvida de que ela estará do nosso lado nessa caminhada”, comentou Teotonio Vilela. Na última quinta-feira, não foi possível manter contato com a ex-prefeita, uma vez que seu telefone celular esteve desligado durante todo o dia. O apoio do PSB, presidido em Alagoas por Kátia Born, também desperta o interesse do grupo de partidos de esquerda formado pelo PT, o PC do B e o PV. Na quinta-feira passada, durante o anúncio da pré-candidatura ao governo do Estado da ex-presidente do Sindicato dos Servidores da Educação de Alagoas (Sinteal), Lenilda Lima, o presidente do partido, deputado estadual Paulo Fernando dos Santos, o Paulão, comentou a possibilidade de o PSB passar a integrar o bloco. “O PSB sempre foi um grande parceiro, mas tem preferido o projeto do grupo governista. Se ele quiser somar com essa frente de esquerda, será muito bem-vindo”, disse Paulão. PV ///

Mais matérias
desta edição