app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Política

Lessa volta a criticar o presidente Lula

| ODILON RIOS Repórter Durante a quarta rodada de discussões entre os pré-candidatos a presidente da República pelo PDT - depois de Manaus, Maceió e São Paulo - o ex-governador de Alagoas Ronaldo Lessa, um dos postulantes ao cargo, voltou a criticar ont

Por | Edição do dia 26/04/2006 - Matéria atualizada em 26/04/2006 às 00h00

| ODILON RIOS Repórter Durante a quarta rodada de discussões entre os pré-candidatos a presidente da República pelo PDT - depois de Manaus, Maceió e São Paulo - o ex-governador de Alagoas Ronaldo Lessa, um dos postulantes ao cargo, voltou a criticar ontem, em Brasília, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na sede nacional do PDT, ao lado dos outros nomes do partido que pleiteiam a candidatura, diante da imprensa e de uma platéia de correligionários, o ex-governador afirmou que Lula, seu ex-aliado político, “havia esquecido o tempo em que era socialista”. Depois, o ex-governador respondeu com uma brincadeira a uma pergunta sobre as possíveis dificuldades de uma disputa na eleição presidencial, diante da liderança de Lula nas pesquisas: “Por que o povo tem que votar em um bichinho com cinco dedos quando há tantas outras opções?”, perguntou Ronaldo Lessa, que, na verdade, estaria brincando com o fato de Lula ter quatro dedos em uma das mãos, já que perdeu o dedo mínimo em uma prensa quando era metalúrgico. As declarações de Lessa foram transmitidas em rede nacional por uma emissora de rádio. ### Novos encontros vão apontar um nome O debate que aconteceu ontem em Brasília não é definitivo. Isso porque o PDT nacional terá outros três debates: no Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul. No dia 20 de maio, a legenda vai escolher qual dos quatro candidatos terá chances (e votos) para concorrer à Presidência da República. Sobre as chances de Lessa ficar com a vaga, o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, apontou: “Ele é muito querido por mim sim, tenho um grande respeito e admiração. Mas, tenho que seguir o que a maioria determinar”, analisou. OR ///

Mais matérias
desta edição