app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Política

Governador diz que vai pagar os precat�rios

| PATRÍCIA BASTOS Repórter Para aqueles que possuem precatórios do Estado para receber, o anúncio do governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) de que irá moralizar o pagamento das cartas precatórias resgatou um pouco das esperanças que estavam praticament

Por | Edição do dia 14/01/2007 - Matéria atualizada em 14/01/2007 às 00h00

| PATRÍCIA BASTOS Repórter Para aqueles que possuem precatórios do Estado para receber, o anúncio do governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) de que irá moralizar o pagamento das cartas precatórias resgatou um pouco das esperanças que estavam praticamente perdidas. “Irei fazer cumprir a lei 6.410 sobre o pagamento dos precatórios. Vou estabelecer, através de um decreto, critérios objetivos favorecendo aos que mais precisam e também em consonância com o Estatuto do Idoso”, declarou. Mas as chances de que todos os 24 mil que têm direito ao benefício venham a receber o precatório até o fim da gestão de Teotonio Vilela é pequena. Em três anos, apenas 509 pessoas conseguiram receber os valores referentes a direitos trabalhistas e correções de planos econômicos. Juntos, eles receberam R$ 55,7 milhões. ### Advogado tenta até cheque caução O precatório é quase como ter um bilhete de loteria guardado no bolso para a maioria das 24 mil pessoas que têm o benefício para receber. Todos têm esperança de ser premiados, mas acreditam que as possibilidades são pequenas. “Tenho fé que ainda vou receber esse dinheiro ainda em vida”, afirma Josenilda Omena, 60, a conhecida dona Dida, que fazia parte do primeiro grupo que receberia os precatórios, comprados pela Petrobras. A transação, há três anos, foi vetada e até hoje ela ainda não viu a cor do dinheiro. ### Empresas lucram R$ 83 milhões Além de não saber quando irão receber o tão sonhado precatório, os beneficiários tem outra decepção: de todas as perdas salariais, direitos trabalhistas e correções de planos econômicos, só terão direito a 30% do total. O restante é lucro para as empresas, que ficam com uma fatia de 45%, para descontar em impostos pagos ao Estado; os outros 25% são os descontos com o Imposto de Renda e o Ipaseal. ### Paulão quer auditoria no precatório Segundo o deputado estadual Paulo Fernando dos Santos, o Paulão (PT), além de fazer cumprir os critérios de prioridade no recebimento dos precatórios, o Estado precisa fazer também uma auditoria nos valores pagos. “É necessário fazer um diagnóstico dos pagamentos e publicar nome, função e valor que cada um está recebendo. Só assim será possível moralizar o pagamento dos precatórios”, destacou. ///

Mais matérias
desta edição