app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5647
Política

Cratera aberta por colapso da mina 18 comporta água de 11 piscinas

Defesa Civil alerta para necessidade de monitoramento de outros três poços que ficam sob a lagoa

Por G1 | Edição do dia 06/01/2024 - Matéria atualizada em 06/01/2024 às 04h00

Documento enviado pela coordenadoria de Defesa Civil de Maceió à Braskem e ao Ministério Público Federal no dia 30 de dezembro informa que a cratera aberta sob a lagoa Mundaú após o colapso da mina 18, no bairro do Mutange, comporta o mesmo volume de água de 11,4 piscinas olímpicas. Segundo o relatório, obtido pela TV Gazeta, a cavidade tem 78 metros de comprimento, 46 metros de largura e 7 metros de profundidade

Entretanto, de acordo com o coordenador do órgão, Abelardo Nobre, uma segunda medição foi feita dias depois e chegou a uma profundidade maior, de 10 metros. Dessa forma, o volume de água dentro da cratera é de 35.880 m³, bem maior que o volume médio de uma piscina olímpica, 3.125 m³.

A Defesa Civil alerta ainda para a falta de monitoramento de três minas que também ficam sob a lagoa. A gravidade do impacto do colapso sobre essas minas será determinada por um equipamento a ser colocado em uma cavidade fora da lagoa por um cabo operado por um caminhão para tentar acessar as minas submersas. Se o acesso estiver bloqueado, será necessário perfurar um novo poço.

“Essas cavidades, além de estarem próximas a mina colapsada, se encontram parcialmente e fora da camada de sal. Por estarem localizadas na laguna Mundaú, torna-se inviável o acompanhamento por DGNSS, sendo assim, necessário a avaliação de tais cavidades após a ruptura e colapso da Mina 18”, diz trecho do documento da Defesa Civil a que a TV Gazeta teve acesso.

Mais matérias
desta edição