app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5647
Política

Paulo Dantas veta parcialmente projeto de Lei Orçamentária

Governador rejeitou quatro trechos da peça, provenientes de emendas parlamentares, que considerou inconstitucionais

Por thiago gomes | Edição do dia 18/01/2024 - Matéria atualizada em 18/01/2024 às 04h00

Com a justificativa de que há inconstitucionalidade material, o Governador Paulo Dantas (MDB) vetou parcialmente o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA), que estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2024, aprovado no fim do ano passado na Assembleia Legislativa (ALE).

A decisão tomada pelo governo ainda será analisada pelos deputados estaduais, após o retorno das atividades no Parlamento, em fevereiro. Eles podem manter ou derrubar o veto.

Em mensagem enviada ao Presidente da Mesa Diretora da ALE, deputado Marcelo Victor (MDB), publicada no Diário Oficial do Estado de ontem, o Governador apresentou as razões que o levaram a rejeitar algumas imposições emendadas à peça orçamentária.

Dantas vetou o parágrafo 2º do artigo 5º e os artigos 14, 18 e 36 da LOA 2024. E justificou que esses dispositivos impossibilitam a sanção integral do projeto, aprovado na Casa com emendas supressivas, modificativas e aditivas. No entanto, algumas delas, segundo o Executivo, macularam de inconstitucionalidade o texto original.

“O § 2º do art. 5º foi totalmente alterado para prever que os remanejamentos e as propostas de abertura de crédito suplementares serão abertos, no âmbito dos Poderes, por atos de seus respectivos titulares, o que viola o art. 42 da Lei Federal nº 4.320, de 17 de março de 1964, que institui normas gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal”, alegou o governo.

A mensagem acrescenta que há desrespeito, neste parágrafo, ao que está disposto nos incisos III e IV do art. 84 e nos incisos V e VII do 167 da Constituição Federal, e em dispositivos da Constituição Estadual. Nesse caso, o principal argumento é de que compete somente ao chefe do Poder Executivo a iniciativa legislativa para apresentação de matéria orçamentária.

Mais matérias
desta edição