app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Política

Indícios apontam que havia Abin paralela, diz novo nº2 da agência

Para Marco Cepik, órgão não pode fazer condutas que violem a informação privada do cidadão

Por G1 | Edição do dia 01/02/2024 - Matéria atualizada em 01/02/2024 às 04h00

O novo número dois da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Marco Cepik, avalia que todos os indícios apontam que havia, de fato, uma Abin paralela em atividade durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Cepik, que foi nomeado novo diretor-adjunto da Abin na terça (30), foi entrevistado ontem no Estúdio i, da GloboNews.

“O avanço das investigações apontam para isso [existência da Abin paralela]. Temos que aguardar o final do processo investigatório nas três instâncias administrativas e criminal, para verificar a comprovação não só sobre se houve, mas sobre quem estava ali. Todos os indícios que se tem é de que havia, sim”, disse.

Ele, que é cientista político e comandava a Escola de Inteligência da agência, substitui Alessandro Moretti, demitido pelo governo Lula nesta terça-feira (30), depois de mais uma fase da investigação da Polícia Federal que apura a suposta espionagem ilegal feita pela Abin durante o governo de Jair Bolsonaro (PL).

“Não pode fazer condutas que violem a informação privada do cidadão. Ela [a Abin] não monitora pessoas, não bisbilhota a vida das pessoas. Se isso aconteceu, e é isso que está sendo apurado, é claramente um desvio de função”, disse Cepik.

Segundo Cepik, houve afastamento de policiais federais da agência: “Foram de pessoas específicas, que participaram da gestão de (Alexandre) Ramagem”.

Perguntado se há a coerência a Abin monitorar a promotora do caso Marielle (como a PF suspeita que foi feito), o novo número 2 disse que “é possível que isso tenha acontecido”.

Na avaliação dele, no entanto, a decisão de manter na agência pessoas que tiveram cargos de confiança durante o governo Bolsonaro não foi um erro do diretor-geral Luiz Fernando Corrêa. Ao assumir o comando da agência no início do governo Lula, Corrêa manteve nomes que haviam sido apontados na gestão anterior.

Para Cepik, a importância de uma política de reestruturação do sistema brasileiro de inteligência é uma demanda dele e de outros integrantes da agência desde o período de transição entre os governos Bolsonaro e Lula.

“Nós insistimos na importância de ter uma política de reestruturação do sistema brasileiro de inteligência como parte do esforço para relançar as instituições brasileiras que haviam sido fortemente atacadas durante todo o governo anterior. Foi um governo de profunda desorganização institucional de processos internos e, também, tentativa de captura de algumas dessas instituições”, afirmou.

Mais matérias
desta edição